Homem que agrediu mulher em Ilhéus é preso após 7 dias foragido

Segundo a polícia, agressor apresentou-se com dois advogados, passará por exames de lesões e será encaminhado para o sistema prisional

Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo
21 de outubro de 2020 às 17:39


O homem que agrediu uma mulher em Ilhéus, na Bahia, foi preso nesta quarta-feira (21). Ele estava foragido desde a noite do dia 15 de outubro. O crime foi filmado (assista acima a reportagem transmitida no fim de semana), e o vídeo viralizou nas redes sociais.

Segundo informações da Polícia Civil, o homem teve o mandado de prisão preventiva cumprido pela 7ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin/Ilhéus).  “Ele apresentou-se com dois advogados, passará por exames de lesões e será encaminhado para o sistema prisional”, informou a Polícia Civil da Bahia em nota. 

Leia também:

Homem que agrediu mulher em Ilhéus tem histórico de violência até contra a mãe

Segundo o coordenador da 7ª Coorpin, o delegado Evy Paternostro, o inquérito policial já está em fase de conclusão. 

O mandado foi expedido na noite de quinta-feira (15), após pedido do Ministério Público da Bahia. “O pedido da prisão se fundamentou ‘na necessidade de resguardar a ordem pública, considerando-se a gravidade da conduta concreta (exacerbada violência empregada) e a condição reincidente do autor do fato’”, disse o MP-BA em nota.

De acordo com o órgão, o MP denunciou o agressor pelos crimes de violência doméstica, ameaça e cárcere privado cometidos contra outra mulher em 2015. Ele então foi condenado pela Justiça em primeira instância, mas, após recurso da defesa, a condenação de cárcere foi retirada - mantendo apenas as condenações por violência doméstica e ameaça. 

Conforme apurou a CNN, esse é o 11º boletim de ocorrência aberto contra o agressor. Dos outros 10, abertos entre 2015 e 2016, apenas três foram levados adiante, dos quais um foi encaminhado para Justiça e dois foram movidos pela mãe do acusado. Uma dessas ocorrências, inclusive, foi registrada em flagrante.

A CNN procurou a defesa do agressor que aparece no vídeo, mas não conseguiu estabelecer contato.