Após ser internado com dores torácicas, João de Deus tem melhora clínica


Da CNN
29 de outubro de 2020 às 13:32 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 13:35
João de Deus

O líder religioso João de Deus sendo encaminhado para a prisão em Goiás (16.dez.2018)

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O médium João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, de 78 anos, apresentou melhora clínica e está em "quarto comum", após ser internado no Sírio-Libanês de Brasília depois de ter apresentado dores torácicas na madrugada do último sábado (24). O boletim com a atualização do estado de saúde do médium foi divulgado nesta quinta-feira (29).

Segundo a nota assinada pelas equipes do Dr. Carlos Rassi e do Dr. Gustavo Fernandes, João de Deus realizou “os procedimentos necessários” e “continuará em tratamento, sem previsão de alta hospitalar”.


João de Deus acumula 63 anos e quatro de meses de prisão em três condenações diferentes: estupros contra cinco mulheres (40 anos em regime fechado), violação sexual mediante fraude contra duas mulheres e estupro de vulnerável contra outras duas (19 anos e quatro meses em regime fechado) e porte ilegal de armas (quatro anos em regime aberto). O médium nega as acusações de abuso sexual.

Leia também:
Polícia ouve produtor suspeito de ocultar músicas inéditas de Renato Russo

João de Deus já havia sido internado na sexta-feira (23), em um hospital de Anápolis, em Goiás, onde cumpre prisão domiciliar. Devido a uma piora no quadro de saúde, precisou ser transferido para o Sírio, na capital federal.

O médium está em prisão domiciliar desde março, quando a juíza Rosângela Rodrigues dos Santos autorizou a transferência por se tratar de um detento no grupo de risco da covid-19. Ele é obrigado a usar tornozeleira eletrônica e está proibido de manter contato com testemunhas e vítimas.

O Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJ-GO) ainda não concedeu autorização para a saída do perímetro da prisão domiciliar. Em situação de emergência, no entanto, a Justiça permite ao preso comunicar a internação posteriormente.

(Com informações de Mathias Brotero, da CNN, e do Estadão Conteúdo)