Pantanal tem outubro com mais queimadas desde 1998


Giovanna Bronze, da CNN, em São Paulo
29 de outubro de 2020 às 11:25 | Atualizado 29 de outubro de 2020 às 14:42

 

Nesta quinta-feira (29), com dados até o dia 28 de outubro, o Pantanal registrou 2.825 focos de incêndio no mês. Esse é o maior número de queimadas já detectadas pelos satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) desde que o monitoramento começou em 1998.

Anteriormente, o outubro com mais queimadas foi registrado em 2002, que teve 2.761 focos.

Quando comparado com o mesmo período em 2019, que teve 1.887 focos de incêndio até o dia 28, este ano registrou aumento de 49,7%. Apenas no dia 28 de outubro, teve o maior número de focos registrados em um dia desde o dia 14 de outubro, quando teve 245.

Onça-pintada em região no Pantanal

Onça-pintada em região queimada no Pantanal

Foto: Araquém Alcântara/Arquivo Pessoal

O ano de 2020 é o pior para o bioma na história do acompanhamento dos incêndios na região. Mesmo que ainda não tenha terminado, o ano acumula 21.084 pontos de calor detectados pelo Inpe - maior total já registrado.

Leia também:
Instituto Chico Mendes recebe reforço de R$ 19 milhões para ações no Pantanal
Onça-pintada Ousado, ferida nas queimadas, retorna para seu habitat no Pantanal
'Pantanal levará décadas para se recuperar', diz diretor de associação

Anteriormente, o ano com mais queimadas foi 2005, que teve 12.536 focos de incêndio detectados ao longo dos 12 meses. Em 2020, o aumento foi de 68,18%.

No total, o acumulado de queimadas no Pantanal em 2020 já contabiliza mais do que a soma dos anos de 2019 (10.025), 2018 (1.691) e 2017 (5.773), que totalizam 17.489 focos de incêndio.