Brasil pode pagar caro por alinhamento com EUA sobre 5G, diz Rezende

Sidney Rezende comentou sobre a adesão do governo brasileiro à proposta de Clean Network

Da CNN
12 de novembro de 2020 às 11:02


No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (12), Sidney Rezende analisou a adesão do governo brasileiro à iniciativa diplomática americana do Clean Network (em português, rede limpa), compromisso que une países e empresas em favor de fornecedores confiáveis de tecnologia, em uma tentativa de impedir que equipamentos da empresa chinesa Huawei sejam utilizados nas redes de telecomunicações a partir do 5G.

"Nós que vamos ter que tomar a decisão do 5G que queremos. O Brasil está ouvindo os Estados Unidos; ouvir todo mundo é ótimo. Mas tem que tomar certas decisões com o próprio dinheiro. Se tiver ouvindo apenas um para tomar a decisão que ele quer, acho uma decisão precipitada. A China é um parceiro comercial brasileiro e é uma potência que tem desentendimento com os EUA, não é uma briga nossa direta", disse Rezende.

Leia também:
Brasil sinaliza apoio à iniciativa dos EUA que exclui chineses do 5G
Apoiar 'rede limpa' não significa descartar Huawei; banimento requer decreto
China lança primeiro satélite equipado com tecnologia 6G

"O Brasil precisa abaixar a bola nisso e não arrumar inimizades. Nós devemos fazer processo licitatório justo, legítimo, com todas as seguranças de dados que necessitamos. Seremos os compradores, mas é uma decisão de soberania nossa. Não é para ser influenciado, esse alinhamento é um pouco complicado para nós e podemos pagar caro por ele", concluiu.

(Edição: André Rigue)