Mulher que teve carro depredado em protesto narra preocupação com pais idosos


Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo
20 de novembro de 2020 às 22:12 | Atualizado 23 de novembro de 2020 às 08:11


 

Uma testemunha que estava na loja do Carrefour na região central de São Paulo narrou, em entrevista à CNN, o que viu durante a depredação da unidade por manifestantes na noite desta sexta-feira (20).

"Começaram a jogar tudo, carrinho, jogar tudo, quebrar tudo", disse a gastrônoma Vivian Moraes, que estava no caixa da unidade e teve o carro depredado durante o protesto. A mulher conta que estava preocupada com os pais, de 87 e 83 anos, que a aguardavam.

"Eu estava assustada, mas a minha preocupação maior é que não me deixavam sair dali", conta. 

Assista e leia também:

CEO do Carrefour: ‘As imagens são insuportáveis e não compactuamos com racismo’
Morte de homem negro gera protestos pelo país

"Não estava preocupada comigo, estava preocupada com meus pais. Eles estavam dentro do carro enquanto eu estava finalizando as minhas compras", narra. 

No Dia da Consciência Negra, os manifestantes protestaram contra a morte de João Alberto Freitas, soldador de 40 anos, asfixiado por seguranças em uma loja da rede em Porto Alegre. A cena, em que os dois homens brancos agridem Silveira, que era negro, no estacionamento da loja, foi filmada e gerou comoção nas redes sociais.