Radar Político: Assassinato no RS é fato político que pode influenciar eleições

Caso deve ser politizado não de maneira oportunista, mas de uma forma que sirva para discutir os rumos que queremos para o país

Da CNN
20 de novembro de 2020 às 13:18 | Atualizado 20 de novembro de 2020 às 13:18

No quadro Radar Político, da CNN Rádio, desta sexta-feira (20), Caio Junqueira, Fernando Molica e Igor Gadelha comentam o assassinato de um homem negro por seguranças do supermercado Carrefour, em Porto Alegre.

“O assassinato do João Alberto Freitas no supermercado Carrefour lá em Porto Alegre é o principal fato hoje do país. Não é um fato político-partidário, mas é um fato político”, disse Molica. 

“E pela reação do governador e de alguns candidatos na internet, há efetivamente um fato político. Um fato que será trazido para a eleição, para o segundo turno”, completou, lembrando que o assassitado de George Floyd, nos EUA, foi um tema amplamente presente da eleição daquele país.

Assista e leia também:
'Cenas são incontestes de que houve excessos', diz governador do RS sobre morte
Homem morto em supermercado de Porto Alegre sofreu asfixia, diz delegada
'Vim para achar um preso. Achei um corpo', diz pai de homem que morreu espancado

“É importante politizar [esse caso] não de uma maneira oportunista, mas de uma maneira que a gente discuta os rumos que a gente quer para o país. A sociedade brasileira é violenta, somos herdeiros da escravidão e essa violência está muito entranhada na nossa sociedade” concluiu.

Junqueira disse esperar alguma reação da ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos do governo Jair Bolsonaro, Damares Alves.

“Mas o lamentável é que eu não sei até que ponto a gente pode espera algo do Sérgio Camargo, da Fundação Palmares. Até onde eu vi, ainda não havia uma manifestação formal e ele é um sujeito muito criticado pelo movimento negro por confrontar as bandeiras”, afirmou. 

Igor Gadelha, Caio Junqueira e Fernando Molica comandam o Radar Político, na CNN Rádio
Foto: CNN Brasil