Mobilização pode levar pauta racial para centro do debate público, diz professor


Da CNN, em São Paulo
21 de novembro de 2020 às 20:55 | Atualizado 21 de novembro de 2020 às 21:07

Após uma sexta-feira de protestos por todo o país, em função da morte de um homem negro, espancado por seguranças de um supermercado em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, a Avenida Paulista amanheceu neste sábado com uma enorme pintura com os dizeres “Vidas Pretas Importam”.

A ação foi feita por um coletivo de artistas e produtores culturais. Na capital paulista, o protesto ocupou três faixas de uma das principais vias da cidade. 

O professor de Direitos Humanos da FGV-SP Thiago Amparo conversou com a CNN sobre o fortalecimento dos atos antirracismo no Brasil após o crime em Porto Alegre.

Segundo ele, a esperança dessa mobilização nacional é de que a pauta racial e o combate à violência policial venha para o centro do debate público.  

“O Brasil é um país muito racista, no sentido de perpetuar a violência racial, e esse último caso do assassinato brutal do João Alberto é de fato um dos ápices mais claros e brutais deste tipo de violência”, diz.

Thiago Amparo defende a necessidade de uma reparação histórica que garanta uma justiça socioeconômica à população negra, possibilitando o acesso a oportunidades em diferentes esferas: tanto no mercado de trabalho, quanto na educação.

Segundo o especialista, somente a garantia da mobilidade social será capaz de diminuir a desigualdade entre negros e brancos. 

Leia e assista também:

Corpo de João Alberto, morto em supermercado, é enterrado em Porto Alegre

'Podem discordar da minha visão, mas não precisam ofender’, diz Mourão

Enxergo todos "verde e amarelo", diz Bolsonaro após morte de homem negro no RS


 (Publicado por Sinara Peixoto)