Justiça quebra sigilo e recolhe passaportes de sócios da cervejaria Backer

Decisão judicial abarca quebra de sigilos bancário e fiscal

Da CNN
25 de novembro de 2020 às 12:04 | Atualizado 25 de novembro de 2020 às 12:04


A Justiça determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dos sócios da cervejaria Backer, em Minas Gerais. A empresa é investigada por adulteração de bebidas alcóolicas, que provocou intoxicação de 26 pessoas, sendo que dez morreram. Todos os passaportes desses sócios também foram recolhidos por determinação judicial, para evitar que eles se ausentem do país.

As novas decisões acontecem após uma das cervejas da marca ser relançada em outubro. De acordo com o Ministério Público de Minas Gerais (MP-MG), a iniciativa demonstrou "imenso desrespeito às vítimas" que foram intoxicadas e as pessoas que morreram por conta da contaminação.

Leia também:

Análises apontam contaminantes em cervejas da Backer desde janeiro de 2019
Contaminação na cervejaria Backer não foi caso isolado, aponta relatório
MPMG denuncia sócios da cervejaria Backer por contaminação da bebida

Ao todo, 11 pessoas ligadas à cervejaria Backer foram indiciadas. Peritos da Polícia Civil identificaram que houve contaminação da bebida após vazamento de dois produtos tóxicos em tanque de armazenamento da cerveja.

Tanques da cervejaria Backer, de Minas Gerais
Foto: Reprodução/Instagram @cervejariabacker (7.out.2019)

(Publicado por Leonardo Lellis)