Cidades do ABC paulista pedem ajuda ao governo de SP para conter Covid-19

Segundo dados da Fundação Seade, a região registrou aumento de 32,1% nos casos nos últimos 30 dias. Já as mortes caíram 17,1% nesse período no grande ABC

Por Tiago Abech e Débora Freitas
27 de novembro de 2020 às 20:11 | Atualizado 27 de novembro de 2020 às 20:12

 

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC, que reúne as cidades de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, pediu ajuda ao governo do estado de São Paulo para a retomada e ampliação dos leitos exclusivos para pacientes com Covid-19 nos hospitais Mario Covas, em Santo André, e Serraria, em Diadema.

O ofício encaminhado em caráter de urgência nesta quinta-feira cita o aumento expressivo da taxa de internação em UTIs nos hospitais municipais nos últimos dias e a possibilidade de falta de leitos.

Ainda de acordo com o Consórcio, a ocupação nos leitos exclusivos de UTI para covid-19 no Grande ABC subiu de 44% para 65% entre os dias cinco e 26 de novembro. Em Diadema e Mauá a ocupação das UTIS já está acima de 80%.

Segundo dados da Fundação Seade, a região registrou aumento de 32,1% nos casos nos últimos 30 dias. Já as mortes caíram 17,1% nesse período no grande ABC.

Assista e leia também:

Brasil registra mais 33,8 mil casos e 511 mortes por Covid-19
Ministério da Saúde define critérios para compra de vacinas contra Covid-19
Curitiba amplia restrições para frear avanço de Covid-19

Por causa desse aumento no número de casos e internações graves, o Consórcio também recomendou aos sete municípios que aumentem as medidas restritivas para evitar aglomerações.

As prefeituras vão apresentar seus planos numa reunião na segunda-feira, mas duas cidades já se anteciparam.

Em São Bernardo do Campo as restrições passam a valer a partir de segunda-feira. O município vai reduzir a permissão de ocupação de 60% para 50% em bares, restaurantes, buffets, salões de beleza, shoppings e comércio em geral.

Os bares e restaurantes só poderão receber clientes até às 21h. As atividades precisam ser encerradas às 22h. Música ao vivo também está proibida na cidade.

Já a ocupação de academias passa de 60% para 40%, com funcionamento de seis horas por dias. Vestuários, chuveiros e piscinas vão permanecer fechados.

Santo André também publicou no Diáfio Oficial desta quinta-feira a suspensão temporária de apresentações de música ao vivo.

Na segunda-feira, o governo paulista vai anunciar a recalibragem do plano de abertura econômica. Também já houve recomendação do Centro de Contingência da Covid-19 para aumentar as restrições em algumas regiões.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Saúde informou que vai repassar ainda neste ano mais R$ 8 milhões para o município de São Bernardo do Campo para assistência a casos de Covid-19 no Hospital de Urgência de São Bernardo.

A pasta afirmou ainda que mantém 62 leitos exclusivos para a doença no Hospital Mário Covas e no Hospital de Diadema e que há vagas disponíveis para atendimento aos casos graves do coronavírus nas duas unidades.

A secretaria não informou se vai ampliar o número de leitos, mas afirmou que possui um esquema especial para dar prioridade à internação de pacientes com quadros respiratórios agudos e graves.