Dados indicam regressão da Grande São Paulo para a fase amarela

A decisão vai ser tomada oficialmente em reunião na manhã desta segunda-feira (30), quando o governo estadual anunciará uma revisão do Plano São Paulo

Raquel Landim
Por Raquel Landim, CNN  
29 de novembro de 2020 às 21:47 | Atualizado 30 de novembro de 2020 às 11:52


 

Os dados de internações e óbitos do último sábado, dia 28 de novembro, indicam uma regressão da abertura da economia da Grande São Paulo e da Baixada Santista. Se essa tendência se mantiver neste domingo, a cidades dessas regiões voltam à fase amarela. Hoje, estão na fase verde.

A decisão, no entanto, vai ser tomada oficialmente em reunião na manhã desta segunda-feira (30), quando o governo estadual anunciará uma revisão do Plano São Paulo, que direciona a abertura das atividades de acordo com a evolução da pandemia.

Mapa atualizado com as regiões na fase verde na 14ª atualização do Plano São Paulo

Foto: Divulgação/Governo de SP

Conforme os dados que a CNN teve acesso, a taxa média de internações e óbitos na Grande São Paulo nos últimos sete dias até sábado em relação aos sete dias anteriores está em 1 – no limite da migração da verde para a amarela.

Leia também:

Todo o estado de SP vai regredir para a fase amarela do plano de reabertura

Brasil registra 272 mortes por Covid-19 em 24 horas; casos somam 6,3 milhões

Covas fala em 'política sem ódio' e elege Covid-19 e desemprego como desafios

Se isso se confirmar, nenhuma atividade econômica vai fechar na capital e no seu entorno, mas terão seus horários limitados. Shoppings, por exemplo, só poderão por 10 horas, enquanto bares e restaurantes têm que fechar até 22 horas. Eventos com pessoas de pé não serão permitidos.

Segundo apurou a CNN, a equipe do prefeito reeleito Bruno Covas, porém, ainda tem a expectativa de manter a capital paulista na fase verde. Na capital, os dados são um pouco piores, mas a região metropolitana mantém o indicador no limite.