Polícia e MP fazem operação contra furto de combustíveis de dutos da Transpetro

Agentes cumprem 14 mandados de prisão preventiva nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná

Camille Couto e Thayana Araújo da CNN, no Rio de Janeiro
04 de dezembro de 2020 às 08:56 | Atualizado 04 de dezembro de 2020 às 09:26


A Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) e o Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas do Ministério Público estão nas ruas para cumprir 14 mandados de prisão preventiva nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais e Paraná contra integrantes de uma organização criminosa especializada em furto de combustíveis diretamente de dutos da Transpetro, responsável por mais de doze perfurações nos municípios de Quissamã e Carapebus, no Norte Fluminense.

A operação deflagrada na manhã desta sexta-feira (4) foi batizada de Sete Capitães, em alusão aos exploradores da região Norte Fluminense do século XVII, assim como as ações que os criminosos desta quadrilha praticavam e geraram um prejuízo que pode passar de R$ 25.000.000,00 à estatal.

Leia também:
RJ tem madrugada de explosão de caixas eletrônicos e carros incendiados
Nove suspeitos de envolvimento no assalto em Criciúma (SC) são presos no RS

Policiais fazem operação contra furto de combustíveis de dutos da Transpetro
Policiais fazem operação contra furto de combustíveis de dutos da Transpetro
Foto: Divulgação/Polícia Civil

A primeira fase da ação ocorreu em novembro de 2019, prendendo seis integrantes, incluindo um policial militar e dois vigilantes da empresa terceirizada de segurança patrimonial contratada pela Transpetro para inspecionar os dutos por onde os combustíveis são transportados.

Nesta segunda etapa das investigações, os agentes conseguiram identificar os responsáveis diretos pelas perfurações nos dutos, transporte dos combustíveis, bem como o receptador do líquido subtraído e financiador da organização criminosa, que agiam em São Paulo, e mais três integrantes da organização criminosa no Rio de Janeiro.  

Segundo o Ministério Público e Polícia Civil, o braço financeiro da organização criminosa é ligado ao maior ladrão de combustíveis do país, conhecido como Maninho do posto, preso em 2020.

Os agentes chegaram até os bandidos através uma empresa de resíduos, sediada na cidade de Rolândia/PR, que receptou cerca de 80% do combustível furtado no Norte Fluminense do Rio de Janeiro. Em uma única empreitada, os criminosos geraram o valor aproximado de 500 mil litros de petróleo cru. Ao todo, foram subtraídos 3 milhões de litros deste combustível, que se traduz na quantia de aproximadamente R$ 4.800.000,00.

A Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados informou que vem intensificando ações de inteligência, investigações e ações contra grupos criminosos especializados em furtos de combustíveis diretamente de dutos da Petrobrás, com objetivo de reduzir os impactos financeiros e ambientais desta prática.