Alerj aprova PL que autoriza a compra de vacina para Covid-19 em fevereiro

De acordo com o projeto de lei, o governo do Rio de Janeiro pode adquirir vacinas autorizadas pela Anvisa, mesmo fora do plano de imunização

Stefano Sales e Everton Souza, da CNN, no Rio de Janeiro
16 de dezembro de 2020 às 22:30 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 07:25

 


 

O Projeto de Lei 3246, de autoria do deputado estadual Flavio Serafini (PSOL), que autoriza o governo do Estado do Rio de Janeiro a comprar vacinas com eficácia comprovada contra o coronavírus, foi aprovado por unanimidade nesta quarta-feira (16) na Alerj.

Segundo o projeto de lei, o governo do estado poderá comprar ou participar de consórcios para produzir vacinas autorizadas pela Anvisa mas que não constem do Plano de Imunização do Ministério da Saúde.

Leia e assista também:

Painel Covid-19: acompanhe a evolução da pandemia do novo coronavírus no Brasil
Governo se preocupa com avanço da Argentina na vacina
Contas da gestão Crivella são reprovadas pelo Tribunal de Contas do RJ

Enfermeira segura frasco com vacina Pfizer/BioNTech contra Covid-19 na Universidade de Coventry, no Reino Unido
Foto: Jacob King/Pool via Reuters (8.dez.2020)


 O projeto, de acordo com o Deputado, dá autonomia e responsabilidade ao estado diante das incertezas do governo federal sobre a imunização.

O Brasil já ultrapassa os 180 mil mortos e é o segundo país do mundo com mais óbitos registrados. No Rio de Janeiro as mortes pelo novo coronavirus voltaram a crescer na última semana.

Apesar da aprovação unânime, deputados bolsonaristas da assembléia apresentaram dois destaques, que foram rejeitados. Mesmo assim o presidente da Alerj seguiu o trâmite legislativo e transferiu a votação do texto final para a próxima sessão, só em fevereiro, já que a Alerj entrou em recesso. Flávio Serafini lamentou a manobra. 

"Agora o projeto de lei perdeu o time, não sabemos o que vai acontecer até fevereiro. A ideia era dar autonomia ao estado em busca da vacina caso haja politização do governo federal no plano nacional", explicou o deputado.