Prefeitura do Rio de Janeiro proíbe festas de Réveillon em quiosques na orla

RioTur informou que não serão permitidos cercadinhos, shows ou qualquer evento com cobrança de ingressos ao longo da orla

Camille Couto e Elis Barreto, da CNN, no Rio de Janeiro
17 de dezembro de 2020 às 14:58 | Atualizado 17 de dezembro de 2020 às 16:00

 

A prefeitura do Rio de Janeiro proibiu a realização de eventos privados e cercadinhos na orla das praias cariocas. Em nota, a RioTur, empresa municipal de turismo, informou que “não serão permitidos cercadinhos, shows ou qualquer evento com cobrança de ingressos ao longo da orla, seja na areia ou calçadão.”

O presidente da RioTur, Fabricio Villa Flor, disse que “essa medida é fundamental e segue a decisão tomada em relação ao Réveillon oficial da cidade”. “Seguimos para uma virada de ano com responsabilidade social”, afirmou.

Leia também:

Paes diz que vacinação contra Covid-19 começa em janeiro no Rio de Janeiro

Bolsonaro minimiza desentendimentos e prega união ao lançar plano de imunização

5 perguntas sobre vacinação contra Covid-19 que devem ser respondidas no Senado

Movimentação na orla da Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, durante pandemia de Covid-19
Foto: José Lucena - 30.mai.2020/Futura Press/Estadão Conteúdo


A Orla Rio, concessionária que administra os quiosques da orla carioca, informou que “entende e respeita a decisão da RioTur de não autorizar a realização de eventos maiores em alguns poucos estabelecimentos. A concessionária reforça que os quiosques poderão funcionar, na noite do dia 31, da mesma maneira que estão funcionando hoje”.

Segundo a concessionária, 42 quiosques tinham planejado eventos na virada do ano.

Na segunda-feira (15), a juíza Carmen Silvia de Arruda, da 15ª Vara Federal no Rio de Janeiro, ordenou um prazo de 72 horas para que a Prefeitura se explicasse sobre por que autorizou os eventos privados em quiosques no Réveillon. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Strada, Tracker e elétrico da Audi: relembre carros lançados em 2020 no Brasil

Governo prevê salário mínimo de R$ 1.088, mas valor pode ter que ser maior

Bitcoin e criptomoedas: entenda o que são e como investir

A Procuradoria-Geral do Município foi notificada e confirmou que iria se manifestar no prazo estipulado. O prazo acabaria hoje (17).