Redação do Enem: vírgula é uma pausa ou respiração? Qual o uso correto?

Para fazer um uso adequado desse código, devemos compreender as características de organização das palavras, orações e parágrafos em um texto

Rodrigo Maia, da CNN, em São Paulo
16 de dezembro de 2020 às 21:10

 

Preste atenção na estrutura da frase na hora da pontuação
Foto: Scott Graham/Unsplash


"Se, você, usar, a, vírgula, sempre, que, respirar, talvez, seu, texto, fique, um, pouco, chato."

Infelizmente, é muito comum a gente ouvir que a vírgula é uma marcação usada para identificar a pausa ou a respiração. Essa ideia, ainda que tenha um aspecto intuitivo interessante, está longe de resolver os problemas de uso da pontuação em textos. No caso da redação do Enem, o uso correto da vírgula pode fazer muita diferença na nota. 

Para começar, é necessário entender que a pontuação é um código linguístico utilizado para facilitar a leitura. Portanto, para fazer um uso adequado desse código, devemos compreender as características de organização das palavras, orações e parágrafos em um texto. Lembra de sujeito, verbo, predicado, complemento, adjunto, aposto e vocativo?

Pois é, querendo ou não, se você quiser colocar vírgulas adequadamente em seu texto, será necessário lembrar da temida, e infelizmente mal ensinada, análise sintática.

Leia também:

Pandemia e o ‘ano perdido’ de 2020: como se preparar para o Enem?

Enem 2021: veja como será a estrutura da prova e divisão das questões

Anote: a vírgula, de modo geral, identifica:

•    a inversão da ordem direta da frase;
•    a intercalação de elementos que interrompem a leitura do enunciado;
•    a omissão de alguns elementos subentendidos;
•    a ênfase.

Separei alguns exemplos simples e práticos sobre o uso da vírgula:

1. Nunca separe o sujeito do predicado com vírgula

Ex.: A pesquisa e a reflexão (sujeito) são fundamentais para o entendimento do uso da vírgula. (predicado). 

Para este caso, outro exemplo é: O Corinthians ganhou o jogo. 

Sujeito: O Corinthians
Predicado: ganhou o jogo.

Agora, se colocarmos o advérbio “ontem”, em qualquer lugar da oração, vai ser colocada uma vírgula para identificar um “elemento intruso” à ordem sujeito e predicado. 

Ex.: Ontem, o Corinthians ganhou o jogo. 
Ex.: O Corinthians, ontem, ganhou o jogo. 

2. Use a vírgula em caso de aposto

Ex.: Evanildo Bechara, famoso gramático brasileiro, participou do evento.
Obs.: Aposto é a expressão que explica ou dá especificação a outro termo da frase.

3. Use a vírgula em caso de vocativo

Ex.: Meu Deus, ouça as minhas preces.
Obs.: Vocativo é o termo utilizado para chamar a pessoa com quem se fala.

O uso correto da vírgula não é complicado. Você só precisa esquecer a ideia de respiração e ficar atento aos elementos sintáticos do período. 

O primeiro passo é ter o conhecimento dos termos essenciais da oração: sujeito e predicado. Em seguida, entender a função do verbo. Depois disso, o estudo caminha melhor.

No texto de hoje, foram usados apenas alguns exemplos. Outras dicas sobre vírgulas ainda serão postadas. Por enquanto, lembre-se: a vírgula não é uma marcação que serve para pontuar a respiração.

"Se, fosse, assim, quem, respira, muito, enquanto, pensa, antes, de, escrever, não, conseguiria, de, forma, alguma, colocar, a, vírgula, corretamente."