Lava Jato denuncia falso esquema de proteção à organização de Dario Messer

Segundo a investigação, os denunciados venderam por quase sete anos um falso esquema de proteção à organização criminosa de Messer

Por Beatriz Puente*, da CNN, no Rio de Janeiro
18 de dezembro de 2020 às 19:24 | Atualizado 18 de dezembro de 2020 às 19:35

Doleiro Dario Messer teria sido enganado por falso esquema de empresário e advogado

Foto: Reprodução/ CNN

A Força-Tarefa da Lava Jato do Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou dois advogados, um empresário e, novamente, o doleiro Dario Messer pelos crimes de evasão de divisas, lavagem de ativos, associação criminosa, exploração de prestígio qualificado e tráfico de influência qualificado. 

Segundo a investigação, os denunciados venderam por quase sete anos um falso esquema de proteção à organização criminosa de Messer. 

Leia também:

Repatriação de bens de Dario Messer no Paraguai deve ficar para 2021

Bahamas devolve ao Brasil cerca de R$ 65 milhões do doleiro Dario Messer

Lava Jato e União travam disputa por obras de arte da família Messer

Os valores eram cobrados para impedir investigações do MPF e da Polícia Federal e seriam destinados a agentes públicos. Mas o dinheiro permanecia com os denunciados e eram enviados ilegalmente a uma conta na Suíça, em nome de uma empresa falsa. 

O MPF estima que US$ 3,9 milhões (quase R$ 20 milhões) foram repassados aos advogados no período de 78 meses, uma média de US$ 50 mil (aproximadamente R$ 255 mil) mensais. Entre 2008 e 2012 foram praticados 35 atos de lavagem de dinheiro por remessa dos valores ilícitos ao exterior. 

Destaques do CNN Brasil Business:

Notas de R$ 200 encalham e menos de 10% do prometido circulam na economia

Audi terá hiato de produção no Brasil e pode desistir de fabricar no país

De R$ 13 a R$ 272 mil: quais são os IPVAs mais baratos e mais caros de São Paulo

Em 2016, mudanças na legislação internacional e no compliance dos bancos suíços preocuparam os denunciados. Foram feitos oito novos atos de lavagem, por meio de operações ilegais conhecidas como dólar cabo invertido. Esses depósitos correspondem a quase R$ 17,8 milhões pelo câmbio atual.

(*Sob supervisão de Robson Santos)