Búzios nega 24 pedidos e não terá festas de Réveillon por acordo com MP

Cidade fluminense teve aumento de 110% nos casos de Covid-19

Pedro Duran e Beatriz Puente, da CNN, no Rio de Janeiro
21 de dezembro de 2020 às 20:11 | Atualizado 21 de dezembro de 2020 às 21:20

 

Depois de um aumento de 110% dos casos de Covid-19 em menos de um mês, a Prefeitura de Búzios decidiu cancelar todas as festas de Réveillon. Assim, os 24 pedidos de bares, clubes e restaurantes para a virada do ano serão negados.

O mês de dezembro começou com 1.201 casos de coronavírus e bateu nesta segunda-feira (21), 2.532. Já são 26 mortes na cidade que não tem leitos de UTI, apenas cinco leitos de estabilização e 12 leitos com equipamentos equivalentes aos de UTI, mas sem o registro pra isso.

Leia também:

Liminar do Tribunal de Justiça do RJ suspende lockdown em Búzios

Média de casos de Covid-19 em Búzios aumentou para 1400% em dois meses

Protesto em Búzios contra decisão da Justiça que decretou lockdown
Foto: Reprodução/Redes Sociais


Antes mesmo da reunião, o secretário municipal de Turismo, Alexandre Verdade, disse à CNN que a chance de isso acontecer era de 80%. A reunião pra decidir pelo cancelamento das festas foi feita em conjunto com representantes do Ministério Público.

Verdade diz que foi um consenso com comerciantes e promotores de festas e que a recomendação veio do MP. “A gente resolveu recuar nesse sentido pra dar uma segurança um pouco maior para os munícipes, para as pessoas que moram aqui e também pra que o turista se sinta mais seguro pra vir pra cidade e que consiga não ter prejuízo nas suas férias”

“A gente sabe que é uma medida pesada, forte, mas a gente sabe que também não é o momento de festas”, completou.

A Defensoria Pública recorreu à derrubada do lockdown pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, mas a expectativa é que o resultado não venha até a volta do recesso do Judiciário, na segunda semana de janeiro.

Enquanto isso, bares, restaurantes e estabelecimentos comerciais precisam limitar a presença do público a 50% de ocupação.