Advogado de Crivella espera tirar prefeito do presídio ‘em instantes’

Presidente do STJ concedeu prisão domiciliar a prefeito do Rio de Janeiro

Pedro Duran, da CNN, no Rio de Janeiro
22 de dezembro de 2020 às 23:49 | Atualizado 22 de dezembro de 2020 às 23:50
Marcelo Crivella, do Republicanos
Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo (14.jan.2020)

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro ainda não notificou a Secretaria de Administração Penitenciária pra que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos) seja solto. A notificação eletrônica é um passo essencial para que Crivella possa voltar pra casa. Ainda assim, a defesa do prefeito afastado, crê na rápida soltura do republicano.

“É o primeiro passo para uma grande vitória”, disse o advogado de Marcelo Crivella à CNN no fim da noite desta terça-feira (22). Alberto Sampaio Júnior chegou por volta das 23h na penitenciária de Benfica, na zona norte do Rio de Janeiro depois de receber a notícia de que o Superior Tribunal de Justiça tinha concedido a prisão domiciliar ao prefeito.

Leia também:

Justiça do Rio bloqueia R$ 53,7 milhões em bens de grupo ligado a Crivella

Esquema ilegal de Crivella era planejado desde campanha de 2016, aponta MP-RJ

O advogado disse à CNN que Crivella vai sair em um carro particular. “Ainda vou ver com a administração, vai depender da administração”, disse ele antes de conversar com os agentes penitenciários, na saída do presídio reforçou: “ele vai sair já já, só estão vendo trâmites burocráticos”.

“É o primeiro passo pra uma grande vitória. A vitória é a absolvição de uma denúncia que não faz nenhum sentido. Marcelo Crivella é dedicado a servir. Qualquer ilação de obtenção de propina não faz o menor sentido”, disse Sampaio Júnior.

Crivella é acusado pelo Ministério Público de ser o “vértice de uma organização criminosa” que cobrava propina de empresários para que dívidas do município do Rio de Janeiro com a empresa deles fossem quitadas rapidamente. O esquema contava com pessoas de dentro e fora da administração municipal.

Os promotores afirmam que a cobrança de propina chegava a ser violenta, com ameaça, coronhadas e disparos de arma de fogo. Eles também dizem que Crivella entregou um celular de outra pessoa, quando foi alvo de uma operação policial no mês de setembro.

Sobre a tornozeleira eletrônica, o advogado não soube dizer se o prefeito já saíra com o o aparelho do presídio ou vai instalar no prazo de sete dias, como permite a decisão judicial.

Sampaio ainda confirmou que Marcelo Crivella vai continuar afastado da prefeitura enquanto a defesa tenta reverter essa decisão.