Corpo de juíza assassinada pelo ex-marido é cremado no Rio de Janeiro

Ela tinha 45 anos e foi assassinada na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital fluminense, na frente de suas três filhas

Da CNN, em São Paulo*
26 de dezembro de 2020 às 15:21 | Atualizado 26 de dezembro de 2020 às 15:23

O corpo da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi, que foi morta a facadas pelo ex-marido na véspera de Natal, foi cremado neste sábado (26).

Ela tinha 45 anos e foi assassinada na Barra da Tijuca, Zona Oeste da capital fluminense, na frente de suas três filhas, que têm entre 7 e 9 anos.

Leia e assista também:
Feminicídio é um crime evitável, diz promotora de justiça
Nem uma juíza está livre da violência doméstica, diz promotora sobre feminicídio

A cremação ocorreu após uma cerimônia curta e sujeita à lotação de 50 pessoas, por conta da pandemia. Viviane era juíza há quinze anos no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TRRJ).

Paulo José Arronenzi, de 52 anos, ex-marido da vítima e autor do crime, teve a prisão temporária convertida em preventiva pela Justiça do estado do Rio de Janeiro. 

Destaques do CNN Brasil Business:
Pandemia mudou para sempre modo de trabalhar; saiba o que deve continuar valendo
Retrospectiva 2020: As ações que mais surpreenderam (e avançaram) no ano

Depois de matar Viviane, ele permaneceu no local a espera da polícia. Em seu carro, foram encontradas três facas, mas não a que foi utilizada no feminicídio.

(*Publicado por Matheus Prado)