Rio vacinará nesta terça profissionais de saúde e idosos que vivem em abrigos

Funcionários do Hospital Municipal Ronaldo Gazzola, na zona Norte da capital fluminense, vão começar a ser imunizados ainda hoje (19)

Isabelle Resende, da CNN, no Rio de Janeiro
19 de janeiro de 2021 às 08:03 | Atualizado 21 de janeiro de 2021 às 08:45

 

A secretaria de saúde da capital espera começar a vacinação contra o coronavírus nos grupos prioritários ainda nesta terça-feira (19). Às duas da tarde, os profissionais do Hospital Municipal Ronaldo Gazzola, na zona Norte, vão começar a ser imunizados. A unidade é referência no atendimento a pacientes com a Covid-19, na capital. Além do pessoal da saúde, também receberão a vacina pessoas acima de 60 anos que vivem em abrigos e asilos, o que corresponde a cerca de 8 mil cidadãos.

As primeiras doses da Coronavac chegaram à capital fluminense no fim da tarde dessa segunda (18), depois de 4 horas de atraso. Foram entregues 110 mil doses, de um total de 231 mil. Nessa primeira fase de vacinação no Rio, que vai até o dia 23 de janeiro, serão vacinados 102.042 trabalhadores da saúde que atendem diretamente pacientes com Covid-19.

Rio pretende vacinar grupo de risco contra o coronavírus nesta terça-feira (19)
Foto: Thiago Ribeiro/Agif/Estadão Conteúdo


As outras etapas da vacinação, voltadas aos demais grupos prioritários definidos pelo Programa Nacional Imunização, vão ser realizadas conforme novas remessas da vacina forem entregues pelo Ministério da Saúde, de acordo com a Prefeitura. A secretaria de Saúde do município ressalta que neste primeiro momento, ninguém deverá ir aos postos de saúde. As vacinas recebidas neste momento são exclusivas para os profissionais da linha de frente e aos pacientes institucionalizados e serão levadas pelos agentes de saúde até eles, nos hospitais.

A previsão da secretaria de Saúde é de que essa primeira etapa da vacinação deve ser concluída dentro de três a quatro dias. Na quarta-feira (20), apesar de ser feriado do padroeiro da cidade, São Sebastião, as equipes das unidades de Atenção Primária (clínicas da família e centros municipais de saúde) estarão trabalhando para levar a vacina às instituições de longa permanência cadastradas, entre eles Abrigo Cristo Redentor, Vovó House Hotel Geriátrico, Casa Geriátrica São Mateus, URS Dina Sfat, Abrigo Doce Morada Santa Cruz, entre outros.

A técnica de enfermagem Dulcinéia da Silva Lopes, 54 anos e Teresinha da Conceição, 80 anos: as duas primeiras vacinadas no Rio, em evento simbólico realizado nessa segunda (18), no Cristo Redentor
Foto: CNN Brasil

Outras fases da vacinação

Quando novas remessas da vacina forem sendo enviadas pelo Ministério da Saúde, a vacinação ocorrerá em todas as 236 unidades de Atenção Primária e nas Policlínicas, a partir das datas que serão informadas futuramente. Também haverá vacinação em pontos estratégicos e no sistema drive-thru em locais que ainda serão anunciados. Para evitar aglomerações nos postos, o atendimento será escalonado, por grupos prioritários e até dividido por subgrupos por idades, para os idosos. É importante que cada pessoa só compareça ao posto de saúde no dia de vacinação de seu grupo ou subgrupo.

Não será preciso se cadastrar previamente para tomar a vacina, mas as pessoas precisarão levar um documento oficial de identificação com foto que comprove fazer parte do seu grupo prioritário.

Trabalhadores de saúde que tenham registro profissional (médicos, enfermeiros, etc.) deverão apresentar o documento de seu conselho de classe. Outros funcionários de unidades de saúde que também ficam mais expostos ao vírus (maqueiros, porteiros, atendentes, etc.) devem tomar a vacina em sua própria unidade de lotação ou conforme a orientação de seu gestor. Quando chegar a vez dos portadores de comorbidades, eles deverão apresentar laudo médico comprovando terem a doença informada.

Ao tomar a primeira dose, o paciente receberá a caderneta ou comprovante de vacinação e a informação de quando deverá voltar para receber a segunda dose, preferencialmente no mesmo posto de vacinação. É imprescindível que, ao retornar para a segunda dose, a pessoa apresente o comprovante da primeira.

Governo prevê distribuição das doses nesta tarde

Helicópteros da Polícia Militar foram usados no transporte de doses da Coronavac para municípios fluminenses mais distantes da região metropolitana. Antes de embarcar em uma das aeronaves, com destino a Campos dos Goytacazes e Macaé, no norte do estado, o Secretário Estadual de Saúde, Carlos Alberto Chaves, disse que até o início da tarde a distribuição das mais de 487 mil doses destinadas ao Rio de Janeiro estaria finalizada. “Antes das doses chegarem, nós já entregamos os insumos necessários para a aplicação aos municípios. Os prefeitos agora têm autonomia para começar a vacinação, assim que receberem a Coronavac”, disse Chaves.

No início da manhã desta terça-feira (19), um caminhão levando a última remessa da Coronavac chegou ao Centro de Armazenagem da Secretaria Estadual de Saúde, na região metropolitana. No local, as vacinas estão sendo catalogadas para depois serem distribuídas. Nas primeiras horas do dia, os veículos já começaram a deixar a central, com destino a municípios do interior. Segundo o planejamento do governo do estado, cidades que ficam a até 40km da central de distribuição serão atendidas por transporte terrestre. As polícias civil, militar, rodoviária e federal garantiram a segurança dos carregamentos.

A distribuição será de acordo com população local. A capital receberá 231.840 doses; na região metropolitana, São Gonçalo, 27.590 e Niterói, 23.240. Já na Baixada Fluminense, Nova Iguaçu, 14.930; e São João de Meriti, 14.870.

(Com informações de Isabelle Saleme, da CNN, no Rio)