Eduardo Bolsonaro diz que ‘ser influente’ não é critério para receber vacina

Filho do presidente Jair Bolsonaro faz críticas no Twitter após denúncias de que ‘influentes’ estariam furando a fila de vacinação em Manaus

André Rigue, da CNN, em São Paulo
20 de janeiro de 2021 às 13:28
O deputado federal Eduardo Bolsonaro durante evento nos EUA
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP)
Foto: Alan Santos/PR

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) postou em sua conta no Twitter nesta quarta-feira (20) que a prioridade de vacinação contra o coronavírus deve ser para profissionais de saúde na linha de frente de atendimento aos pacientes vítimas do vírus. A mensagem é uma crítica a “pessoas influentes” que estariam tentando furar a fila da vacinação, principalmente em Manaus, uma das cidades mais afetadas pela pandemia no Brasil.

"Só para lembrar: a prioridade da vacinação são os profissionais de saúde que estão na linha de frente e grupos de risco. Ser autoridade ou filho de pessoa influente não é um dos critérios de prioridade".

A publicação de Eduardo ocorre após denúncias nas redes sociais de que pessoas influentes estariam sendo beneficiadas na vacinação em Manaus, cidade afetada pelo caos nos hospitais com a superlotação e falta de oxigênio para atendimento dos pacientes.

Eduardo Bolsonaro publica crítica sobre tentativa de furar fila da vacina
Eduardo Bolsonaro publica crítica sobre influentes que tentam furar a fila da vacina
Foto: Reprodução/Twitter

O filho do presidente Jair Bolsonaro também postou na terça-feira (19) que o governo tinha distribuído vacinas pelo Brasil para atender o grupo prioritário. “Em menos de 24 horas, após a Anvisa aprovar o uso emergencial, o governo Jair Bolsonaro, que tentam te dizer não se preocupar com vacina e a logística de distribuição, já enviava vacinas para todo Brasil.”

O Brasil iniciou a vacinação contra o coronavírus no último domingo (17), em São Paulo, com o imunizante Coronavac, adquirido pelo Instituto Butantan em parceria com a chinesa Sinovac. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) concedeu autorização para uso emergencial para a Coronavac e também para o imunizante de Oxford, em lote de dois milhões de doses que deve ser enviado pela Índia nas próximas semanas.

O Ministério da Saúde distribuiu as doses da Coronavac para todos os estados e o Distrito Federal, iniciando nacionalmente a campanha de imunização contra o vírus - profissionais de saúde e pessoas do grupo de risco têm prioridade na vacinação.