Família em São Paulo recebe carta anônima com ameaça de morte a cachorra

Carta dá “prazo” para família retirar cachorro do bairro; caso está sendo investigado pela polícia

Anna Gabriela Costa, colaboração para a CNN Brasil
21 de janeiro de 2021 às 19:14
Cachorra Sol foi ameaçada em carta e caso repercutiu nas redes sociais
Cachorra Sol foi ameaçada em carta e caso repercutiu nas redes sociais
Foto: Arquivo pessoal

“Seu cachorro será morto, silenciosamente e em algum dia”. Assim começa a carta anônima que ameaça de morte a cachorra Sol, membro de uma família do bairro Planalto Paulista, na Zona Sul de São Paulo. A mensagem foi deixada na porta da casa onde vive o animal na última semana e, nesta quinta-feira (21), a família decidiu tornar o episódio público nas redes sociais. 

Junto à ameaça, a carta traz uma ordem e um prazo, e determina que a família tem até a 0h do dia 30 deste mês para levar Sol para outra região “ainda com vida”. 

“Você tem o prazo até a data acima mencionada para colocar seu cachorro, ainda com vida, em outro lugar para viver. Desde que seja longe do bairro Planalto Paulista e daquela vizinhança”, diz a mensagem anônima.

Para justificar as ameaças, o autor anônimo da carta afirma que Sol “late, há muito tempo, descontrolada e diuturnamente fora da normalidade de um convívio social”.

Veja a íntegra da carta com as ameaças ao animal
Veja a íntegra da carta com as ameaças ao animal
Foto: Arquivo pessoal

Ameaça deixou família em choque 

Segundo Guilherme Assano, tutor da cachorra, a reação de toda a família foi de choque ao ler a carta.

“Estava almoçando em família, um dos irmãos pegou a correspondência e em choque falou que a Sol estava sendo ameaçada. Ele leu a carta e ficamos em choque por bastante tempo, muito inseguros; estamos nos sentindo muito assustados com tudo que está acontecendo”, disse Assano. 

Desde então, a família adotou medidas para proteger o animal em casa. Além disso, registraram um boletim de ocorrência na delegacia e a polícia já visitou a residência, para iniciar a investigação.

“Na delegacia encontramos uma vizinha registrando um boletim com uma carta exatamente igual, aí vimos que era uma pessoa ameaçando os cachorros da região, ainda não temos o conhecimento de mais casos, mas deve haver mais ameaças. Decidimos afastar a Sol do portão, ela não fica mais na frente da casa, a gente tenta ficar com ela por perto durante o dia, à noite deixamos ela dormindo dentro de casa”, explicou o responsável pela cachorra ameaçada.

Sol, uma vira-lata caramelo, foi adotada pela família há cerca de oito anos e desde então mora com eles na mesma casa. Para o proprietário, a cachorra nunca apresentou um comportamento anormal em relação a barulhos, mas, ainda assim, eles buscaram um auxílio profissional e irão iniciar o adestramento.

“Ela late como qualquer outro cachorro, não acho que seja exagerado, mas procuramos um especialista e ele tem nos orientado muito em relação ao comportamento dos cachorros, tem nos tranquilizado, dizendo que é normal o cachorro latir, mas nos acalmou dizendo que isso era um crime e ele decidiu compartilhar com amigos”, afirmou Guilherme. 

Desde então, o caso viralizou nas redes sociais e milhares de pessoas compartilharam a carta em solidariedade à cachorra. 

Sol é treinada por um adestrador
Sol é treinada por um adestrador
Foto: Arquivo pessoal


“A comunidade pet abraçou nossa história, só temos recebido mensagens de carinho, de apoio, de sensibilidade, tem sido algo que tem fortalecido e comovido muito a gente, somos muito gratos. Temos conseguido essa visibilidade e espero poder proteger melhor os cachorros da região e tentar chegar nessa pessoa que está planejando esse crime. Que todo mundo possa viver em harmonia, cada um com seu animal, e que a justiça possa ser feita”, afirmou Assano.

O adestrador Ricardo Milan afirmou que o comportamento de latir para estranhos é normal entre os cães, e destacou que Sol não apresenta problemas. 

“É possível melhorar a Sol, mas não que ela seja uma cachorra que tem excesso de latido.
Durante a visita a campainha tocou, era um entregador, a cachorra não latiu e nem correu para o portão. O adestramento é recomendado para todos os cães, pois ele melhora a comunicação, obediência, e melhora sua integração na sociedade”, afirmou Milan.