Servidor do Ministério da Infraestrutura é investigado por lavagem de dinheiro

Segundo a Polícia Federal, servidor construiu uma casa de luxo e adquiriu veículos com valores não declarados e incompatíveis com sua renda

Vianey Bentes, da CNN, em Brasília
22 de janeiro de 2021 às 14:48 | Atualizado 22 de janeiro de 2021 às 14:51
Funcionário construiu uma casa de luxo com valores não declarados
Funcionário construiu uma casa de luxo com valores não declarados
Foto: Polícia Federal/Divulgação

A Polícia Federal realizou, na manhã desta sexta-feira (22), a operação Gravame, para investigar um esquema de lavagem de dinheiro no Ministério da Infraestrutura envolvendo um servidor público e seus associados.

Os policiais cumpriram quatro mandados de busca e apreensão, além do bloqueio de contas-bancárias, veículos e imóveis dos investigados em Brasília e na Cidade Ocidental (GO), no entorno da capital federal.

Todos os mandados foram expedidos pela 12ª Vara da Justiça Federal do Distrito Federal, que determinou ainda o afastamento do servidor público suspeito de suas funções por 30 dias. 

As investigações, feitas em 2020 com apurações da Controladoria-Geral da União e da Secretaria de Conformidade e Integridade do Ministério da Infraestrutura, indicam que o servidor teve um crescimento patrimonial incompatível com a sua renda e gastos acima do que recebe. 

Segundo a Polícia Federal, os dados e informações apontam que o servidor usava parentes para lavagem de ativos e, além disso, construiu uma casa de luxo e adquiriu veículos com valores não declarados.

A CNN pediu informações ao Ministério da Infraestrutura, mas não teve retorno.