Acre decreta fase vermelha para tentar evitar colapso na saúde pública

Atualmente, 98% dos leitos da rede pública para Covid-19 em todo o Acre estão ocupados

Por Victória Cócolo, da CNN, em São Paulo
02 de fevereiro de 2021 às 01:32
Leitos de UTI e enfermaria para Covid-19 em hospitais do interior de SP (18.dez.
Acre toma medidas para evitar colapso do sistema de saúde (18.dez.2020)
Foto: Reprodução/CNN


O governo do Acre decretou, na noite desta segunda-feira (1), fase vermelha para todas as regiões do estado. A medida foi tomada para tentar conter o agravamento da pandemia de coronavírus na região e evitar um colapso no sistema de saúde.

A decisão restringe o funcionamento de serviços considerados não essenciais, além de se manter a medida que limita aglomeração das 22h às 5h.

Segundo o governo, a classificação seria anunciada na sexta-feira (5) mas foi adiantada devido ao aumento nos números de casos e óbitos pela doença. Atualmente, 98% dos leitos da rede pública para Covid-19 em todo o Acre estão ocupados.

 

No anuncio oficial, o governador, Gladson Cameli, disse que todas as medidas que cabiam para conter o vírus na região foram tomadas mas que o estado chegou a uma situação “mais preocupante”. 

"Estamos priorizando a vida para que no Acre não se instale o mesmo caos que enfrentam outros estados do país", afirmou Cameli. 

O decreto vale até o dia 19 de fevereiro, quando será avaliada uma nova classificação. 

Até 1º de fevereiro, o Acre registrava 48.820 infectados e 873 mortos pela Covid-19, segundo o Ministério da Saúde. 

O que pode funcionar durante a fase vermelha?

Estão autorizados a funcionar, segundo o decreto, supermercados, mercantis e congêneres; farmácias; clínicas médicas, psicológicas, odontológicas e veterinárias; espaços de fisioterapia; laboratórios; óticas; oficinas mecânicas no geral; bancos; hotéis; funerárias; postos de combustíveis; lojas de materiais de construção; indústria em geral com atendimento ao público mediante agendamento; além empresas de alimentos, medicamentos, águas, gás, produtos de limpeza, higiene e de EPIs.

Aulas de todos os segmentos estudantis estão proibidas de retomar de forma presencial. 

Além disso, foi adotado pelo estado o regime de trabalho remoto para todos os servidores públicos, com excessão dos casos necessários à garantia da manutenção dos serviços considerados essenciais e imprescindíveis à população, como as áreas de saúde e segurança pública.