Governo do Rio Grande do Sul assina decreto que proíbe corridas de cães

Entre as sanções previstas pare quem descumprir o decreto estão advertências, multas, apreensão dos animais e outras.

Ludmila Candal, da CNN, em São Paulo
11 de fevereiro de 2021 às 17:40 | Atualizado 11 de fevereiro de 2021 às 17:52
Cachorros de corrida
Cachorros de corrida
Foto: Getty Images

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), assinou nesta quarta-feira (10) um decreto que proíbe a corridas de cachorros galgos no estado.

Além da proibição, foi encaminhado à Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul um projeto que parecido, que visa consolidar a lei no estado. A iniciativa é do deputado Gabriel Souza (MDB) e ativistas da causa animal.

O texto, publicado no Diário Oficial do Estado, também proíbe o extermínio, os maus-tratos, a mutilação e a manutenção de animais domésticos de estimação em cativeiros que se encontrem em condições insalubres.

Ao assinar o decreto, o governador Eduardo Leite pontuou: “Cuidar dos animais nos torna mais humanos, por cuidar de seres que não conseguem dar suas próprias respostas à violência que sofrem e também porque sabemos que a crueldade com os animais é a porta de entrada para outras violências contra os próprios seres humanos”.

Entre as sanções previstas pare quem descumprir o decreto estão advertências, multas, apreensão dos animais e outros.

Os cães galgos são conhecidos por sua velocidade. A raça, também conhecida como “Lebréu”, em sua maioria, além de magros, possuem pernas longas e tórax profundo, dando suporte para ganhar velocidade. Por tais características, eram utilizados em corridas de cães.