PF investiga morte de 600 animais silvestres em centro de tratamento do Ibama

O local é um dos maiores centros de tratamento de animais silvestres do país: mais de 1,2 mil animais vivem lá

Camille Couto e Adriana Freitas, da CNN, no Rio de Janeiro
23 de fevereiro de 2021 às 22:29 | Atualizado 24 de fevereiro de 2021 às 09:03

A Polícia Federal instaurou um inquérito para apurar a morte de 600 animais silvestres nos últimos meses em um centro de tratamento do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) que fica em Seropédica, no Rio de Janeiro.

O local é um dos maiores centros de tratamento de animais silvestres do país: mais de 1,2 mil animais vivem lá. Sob a responsabilidade do Ibama, macacos, aves e outros bichos deveriam estar se recuperando dos ferimentos causados pelo tráfico ilegal.

 

Mais de 1,2 mil animais silvestres vivem no local
Mais de 1,2 mil animais silvestres vivem no local
Foto: Arquivo pessoal

Atualmente, o centro só tem quatro funcionários, pois a empresa terceirizada que cuidava do espaço deixou de prestar o serviço no ano passado. 

O caso chegou ao conhecimento da Polícia Federal através de uma denúncia. Nesta segunda-feira (22), agentes fizeram uma perícia no centro de triagem para investigar as causas das mortes e identificar os responsáveis. Hoje, três pessoas foram ouvidas. 

Procurada pela CNN, a assessoria de imprensa do Ibama afirmou que a diretoria do instituto e a Secretaria de Biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente estiveram pessoalmente no Cetas (Centro de Triagem de Animais Silvestres) do Rio de Janeiro na segunda-feira (22) e que, durante a visita, já foram adotadas imediatas medidas corretivas para garantir que a situação não volte a se repetir. 

Segundo o Ibama, também estão sendo apuradas as devidas responsabilidades.