Alerj vota hoje revogação da Medalha Tiradentes concedida a Jairinho

Honraria é concedida pelo governo do Rio por serviços prestados à humanidade; vereador afastado e Monique Medeiros foram indiciados pela morte de Henry Borel

Cleber Rodrigues, da CNN, no Rio de Janeiro
19 de maio de 2021 às 13:59
Ex-namorada do vereador Dr. Jairinho deve prestar novo depoimento nesta sexta
Dr. Jairinho foi indiciado pela Polícia Civil do Rio por homicídio duplamente qualificado.
Foto: Vitor Brugger - 8.mar.2021/Am Press & Images/Estadão Conteúdo

A Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) vota nesta quarta-feira (19) o pedido para revogar a Medalha Tiradentes concedida ao vereador afastado Dr. Jairinho (sem partido), preso suspeito de matar o enteado Henry Borel, de 4 anos.

Na sexta-feira (14), um parecer favorável à revogação foi publicado no Diário Oficial. No documento, o relator da Comissão de Normas Internas e Proposições Externas da Alerj, Rodrigo Bacellar (Solidariedade), afirmou que o crime investigado não condiz com a honraria.

"Por considerar que os atos praticados violam os serviços prestados à humanidade, voto pela aprovação da proposta e revogação da resolução 207/2007", diz o documento.

A Medalha Tiradentes é concedida a personalidades que tenham prestado bons serviços à humanidade.

O pedido para revogar a honraria foi feito pelo deputado estadual, Noel de Carvalho (PSDB).

"Esse caso trouxe à tona um comportamento do vereador que não está a altura de um homem público e de um médico. São muitas questões envolvendo o Doutor Jairinho, por isso espero que meus pares votem pela revogação da medalha. Sou pai, avô e bisavô e a morte do menino Henry dói na nossa alma", disse Noel de Carvalho.

Presos desde o dia 8 de abril, Jairinho e Monique Medeiros foram indiciados pela Polícia Civil do Rio por homicídio duplamente qualificado por emprego de tortura e incapacidade na morte do garoto Henry Borel, de 4 anos. Os dois negam as acusações.