Fiocruz entrega lote de vacinas, incêndio em hospital de SE e mais de 28 de maio

5 Fatos Tarde apresenta as principais notícias do Brasil e do mundo

Da CNN, em São Paulo
28 de maio de 2021 às 13:49

A remessa de 5,8 milhões de vacinas da AstraZeneca/Oxford, as novas orientações da Anvisa para a refrigeração das doses da Pfizer e o incêndio que atingiu um hospital em Sergipe estão entre os destaques do 5 Fatos Tarde desta sexta-feira (28).

Vacinação em São Paulo

O estado de São Paulo começou a vacinar nesta sexta-feira (28) pessoas com deficiência permanente (PDP) e pessoas com comorbidades entre 40 e 44 anos de idade. Estima-se que cerca de 760 mil pessoas sejam contempladas nesta etapa de imunização.

Doses da Fiocruz

Está prevista para esta sexta-feira (28) a entrega de 5,8 milhões de doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca/Oxford. As doses, produzidas pela Fundação Oswaldo Cruz, serão entregues ao Ministério da Saúde, responsável pela distribuição das doses para todo o país.

Pfizer

A Agência Europeia de Medicamentos aprovou a vacina da Pfizer/Biontech contra a Covid-19 para adolescentes entre 12 e 15 anos. A vacina já tem permissão de ser usada nesta faixa etária no Canadá e nos Estados Unidos.

Incêndio em Aracaju

Na manhã desta sexta-feira (28), o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Sergipe (CBMES) controlou um incêndio no Hospital Nestor Piva, em Aracaju, e resgatou vítimas que estavam na Unidade de Tratamento Intensivo destinada a pacientes com Covid-19.

Anvisa

A vacina da Pfizer/Biontech poderá ficar mais tempo dentro das salas de vacinação do Sistema Único de Saúde. A Anvisa autorizou, nesta sexta-feira (28), novas condições de conservação e armazenamento das doses no Brasil. A partir de agora, o imunizante poderá ficar até 31 dias refrigerado entre +2ºC e +8°C . Essa é a faixa de temperatura mais comum na rede pública de saúde dos municípios.

Newsletter

Para receber as principais notícias todos os dias no seu e-mail, cadastre-se na nossa newsletter 5 Fatos em newsletter.cnnbrasil.com.br

As vacinas contra a Covid-19 garantem proteção porque previnem a doença, especialmente nas formas graves, reduzindo as chances de morte e internações.

Embora não impeçam o contágio e nem a transmissão do vírus, a vacinação é essencial, já que induz o sistema de defesa do corpo a produzir imunidade contra o coronavírus pela ação de anticorpos específicos, segundo a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).