Morador de Viçosa (MG) toma quatro doses de vacina e prefeitura aciona MP

Os agentes de saúde conferiram os dados do homem no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações, constatando que ele recebeu quatro doses

Carolina Figueiredo Da CNN, em São Paulo
07 de julho de 2021 às 21:34 | Atualizado 07 de julho de 2021 às 22:08
Frasco com Coronavac, vacina contra Covid-19, em São Paulo
Frasco com Coronavac, vacina contra Covid-19
Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo (2.mar.2021)

Um morador de Viçosa, no interior de Minas Gerais, foi descoberto após receber quatro doses da vacina contra a Covid-19. O homem, de 61 anos, foi primeiro imunizado com duas doses da Coronavac, em Viçosa, depois tomou uma dose da vacina AstraZeneca no Rio de Janeiro, e por último teve uma dose da Pfizer aplicada também em Viçosa. 

A Prefeitura da cidade identificou o ocorrido na tarde desta quarta (7) após o homem abordar uma equipe de imunização alegando ter perdido sua data correta de vacinação. Os agentes de saúde conferiram os dados dele no Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações, constatando que ele recebeu quatro doses. 

Após isso, a Prefeitura acionou a Procuradoria Geral do Município e o Ministério Público para a tomada de medidas de cunho cível, administrativo e criminal. 

 

"A Administração Municipal repudia veementemente a atitude deste cidadão, especialmente num momento de tamanha seriedade e comoção em todo o país. Paralelamente, o Setor de Imunização da Secretaria de Saúde está reforçando sua auditoria e conferência de dados da população para evitar, ao máximo, situações como esta", afirmou a gestão em nota. 

O município destacou ainda que qualquer cidadão que tomar mais de duas doses de imunizantes contra a Covid-19 está sujeito a implicações previstas em lei. 

Há também na cidade uma recomendação para que, em caso de recusa de moradores querendo escolher o fabricante da vacina, que um termo de consentimento abrindo mão de sua vez na fila seja assinado. 

"A colaboração, solidariedade e, inclusive, o bom senso de todos, é fundamental para acelerarmos ainda mais a vacinação", conclui a nota.