‘O Brasil é uma história de sucesso colonial’, lamenta Grada Kilomba

Para a escritora e artista portuguesa, a violência policial que matou George Floyd nos EUA faz parte de um processo global que precisa ser desmantelado

Débora Freitas da CNN

em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista exclusiva à CNN, a escritora e artista plástica portuguesa Grada Kilomba falou da relação entre colonialismo e racismo e da presença ainda muito constante dessas questões na sociedade contemporânea. “Precisamos desmantelar o racismo. É algo discursivo, [formado] através das associações de imagens e de palavras que não são reais, mas se tornam por causa da associação. No Brasil, vivemos em estado de absoluta negação”, alerta ela que conversou com a reportagem por Skype.

Grada foi a autora mais vendida na Flip 2019 com o livro Memória da Plantação (Cabogó) que trata do racismo cotidiano. Ela lamenta que o Brasil seja uma história de sucesso colonial. A escritora explica que o país nunca passou por um processo de descolonização como os que ocorreram em Angola, Guiné Bissau e São Tomé e Príncipe, por exemplo. “[Nesses lugares] uma estrutura foi deitada abaixo e foi criada outra estrutura. Foram dados novos nomes às cidades, estradas, ruas e o processo foi baseado em projetos educacionais”.

Como artista, ela defende ainda a criação de novas linguagens e a revisão do vocabulário racista que ainda persiste na sociedade.

Leia também:

George Floyd é homenageado em cerimônia funeral em Minneapolis

Conheça escritores negros que ajudam a entender as questões raciais

Grada Kilomba falou ainda da necessidade de não ser apenas contra o racismo. Segundo ela, é preciso se posicionar como antirracista. “Esse processo de ser antirracista é um outro processo. Tem a ver com ser capaz de escutar, de ouvir, aprender, construir (…) Passamos da negação para a culpa, é importante ter culpa, e da culpa para a vergonha, e da vergonha para o reconhecimento para alcançarmos um estado de absoluta reparação”, explica a escritora.

Para a artista, o racismo impacta na vida e nas relações humanas por ser uma ferida aberta, que causa uma dor desumana, difícil de articular. Segundo ela, essa dor é vivenciada por meio do trauma, por isso a arte e a literatura são tão importantes.

Grada, que vive em Berlim, também reinventou seu trabalho e lançou uma exposição virtual em tempos de distanciamento social. Heroínas, Pássaros e Monstros trata das questões raciais e de histórias anônimas. A mostra gratuita foi organizada pela Goodman Gallery e traz uma série de obras fotográficas e uma trilogia de filmes da artista. A exposição pode ser vista no site.

Tópicos

Mais Recentes da CNN