Juiz autoriza transferência de Adélio Bispo a 'local adequado' para tratamento


Anna Satie e Giulia Pereira Da CNN Brasil, em São Paulo
02 de março de 2020 às 22:31
Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em aeroporto de Juiz

Adélio Bispo de Oliveira é escoltado por policiais federais em aeroporto de Juiz de Fora

Crédito: Ricardo Moraes - 08.set.2018/Reuters

A Justiça de Campo Grande autorizou nesta segunda (2) que Adélio Bispo de Oliveira seja transferido da penitenciária federal do Mato Grosso do Sul a "local adequado" para tratamento. Adélio é o autor do ataque à faca sofrido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a campanha eleitoral de 2018.

O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal do Mato Grosso do Sul (MPF-MS) em dezembro de 2019. Para o órgão, devido a seu transtorno mental, Adélio deveria ser transferido para um local com estrutura adequada para tratamento e cumprimento da sua sentença de internação por prazo indeterminado. O MPF-MS apresentou ofícios que mostram que o presídio federal de Campo Grande não possuía instalações adequadas para o tratamento de Adélio

A transferência deve ser feita em até 30 dias. O local ainda será definido pela Vara de Juiz de Fora (MG), cidade onde ocorreu o atentado.

Relembre o caso

Adélio Bispo foi preso após esfaquear Bolsonaro no centro de Juiz de Fora, em setembro de 2018. 

Bolsonaro era carregado por partidários em um comício quando sofreu foi perfurado na região do abdômen. Desde então, teve de passar por diversas cirurgias.

A Justiça local ordenou a prisão preventiva, e Adélio foi transferido para a penitenciária onde permanece até atualmente. 

Em junho de 2019, Adélio recebeu sua sentença, a absolvição imprópria —em que é reconhecido como autor do crime, mas impossibilitado de ser punido por conta de sua doença mental. Sua pena foi convertida em internação psiquiátrica até que laudo médico determine que ele não apresenta mais perigo a sociedade. Adélio foi diagnosticado com transtorno delirante persistente, condição em que o paciente sofre de preocupações extremas e irreais.

(Com informações de Estadão Conteúdo)