Fora de cargos do PSL, ala bolsonarista na Câmara agora pressiona governo


Larissa Rodrigues, da CNN Brasil, em Brasília
05 de março de 2020 às 17:32
O deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO) - 05.fev.2020

O deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO) - 05.fev.2020

Crédito: Michel Jesus/Câmara dos Deputados

Após serem afastados dos cargos destinados ao PSL na Câmara, os deputados da "ala bolsonarista" agora travam uma nova briga interna. Muitos começaram a pressionar não só o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como também o líder do governo na Câmara, Major Vitor Hugo, para que sejam recolocados em posição de liderança destinadas ao governo no Congresso Nacional — e assim, sigam com o poder de nomear apadrinhados. 

A reportagem apurou que Bolsonaro foi procurado nesta manhã por ao menos quatro dos doze deputados afastados a pedido do presidente da sigla, Luciano Bivaro (PSL-PE). Um deles chegou a pedir o lugar de Vitor Hugo. Outros disseram que aceitam cargo de vice-líder do governo na Câmara. Mas, a grande maioria reclamou mesmo foi dos cargos comissionados, que perderam ao deixar as posições que tinha na liderança do partido.

Além do líder, o PSL na Câmara pode ter até 15 vice-lideres. Cabe a eles nomear 116 cargos comissionados à liderança, com salários médios de R$ 12 mil. Agora afastados, os parlamentares perderam seus cargos e de seus apadrinhados.