Auditores da Receita rebatem Bolsonaro e falam em 'assédio institucional'


Anna Russi Da CNN Brasil, em Brasília
06 de março de 2020 às 15:38 | Atualizado 06 de março de 2020 às 17:57
O presidente Jair Bolsonaro em evento pelo Dia Internacional da Mulher

O presidente Jair Bolsonaro comparece a evento em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, em Brasília

Photo: Adriano Machado/Reuters

A Unafisco (Associação Nacional de Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil) divulgou nesta sexta-feira (6) uma nota de repúdio à fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que a Receita Federal "atrapalha o desenvolvimento do Brasil em algumas áreas". Bolsonaro deu a declaração na quinta (5), durante sua live semanal nas redes sociais.

Em resposta, a associação disse que "quem atrapalha o país são as autoridades públicas que promovem assédio institucional contra seus próprios órgãos, em vez de fortalecê-los". 

A Unafisco também fez críticas à equipe econômica, acusando-a de fragilizar a administração tributária por falta de investimento.

"Uma administração tributária frágil não combate adequadamente o contrabando e descaminho que fragilizam a segurança pública e enfraquecem a indústria nacional. Uma administração tributária frágil não combate a sonegação, que supera anualmente a casa dos R$ 400 bilhões, distorcendo a concorrência saudável, desestimulando investimentos de empreendedores sérios e sufocando as contas públicas", afirmou a entidade. 

A instituição representante do setor classificou a declaração de Bolsonaro como um ataque "que não se pode tolerar".

"A RFB [Receita Federal do Brasil] é um órgão de Estado dos brasileiros, não de um governo transitório que não tem apreço pelo servidor público e incentiva atos que atentam contra os poderes da República", disse a Unafisco.