Bolsonaro diz que ainda não recebeu resultado de teste para coronavírus


Da CNN Brasil, em São Paulo
12 de março de 2020 às 19:08 | Atualizado 12 de março de 2020 às 23:10
Coronavírus: Bolsonaro e Mandetta usam máscaras em live no Facebook

Coronavírus: Bolsonaro e Mandetta usam máscaras em live no Facebook

Foto: Reprodução/Facebook Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse nesta quinta-feira (12), em sua live semanal pelo Facebook, que ainda não recebeu o resultado do exame para saber se está ou não com o novo coronavírus (COVID-19).

"Todo mundo que estava no voo, hoje foi coletado o material de todo mundo. Já tem órgão de imprensa dizendo que deu negativo. Até queria que essa fake news fosse verdadeira, mas não deu resultado ainda. Nas próximas horas tem o meu resultado e de mais algumas pessoas que estiveram comigo", disse o presidente.

O voo mencionado por Bolsonaro foi o de retorno dos EUA, onde realizou visita oficial esta semana. No avião estava o secretário de Comunicação Social do governo federal, Fabio Wajngarten, que foi diagnosticado nesta quinta-feira com o novo coronavírus.

Bolsonaro participa da transmissão ao lado do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Ambos usam máscaras.

Mandetta disse que Bolsonaro pode ficar em isolamento domiciliar caso o resultado do teste para o novo coronavírus dê positivo. 

"Se der positivo, o presidente vai ter que despachar daqui (Palácio da Alvorada). A gente vai recomendar o isolamento domiciliar. Se não der, ou der outro vírus, que é mais comum, que é o influenza, a gente libera, vida que volta ao normal", declarou Mandetta.

Pouco antes do início da live, a deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) disse no Twitter ter recebido do também deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, a informação de que Bolsonaro não está com COVID-19. Mais tarde, ela publicou uma correção dizendo que "a negativa era para sintomas que, felizmente, o presidente não tem."

O presidente e Eduardo Bolsonaro estão sendo monitorados desde a confirmação do caso de Wajngarten. De acordo com a Secom, Wajngarten está em quarentena domiciliar por recomendação médica e só retornará às atividades quando não houver mais risco de transmissão do COVID-19.

R$ 5 bilhões contra o vírus

Durante a live, Bolsonaro disse que assinará nesta sexta-feira (13) a medida provisória que libera R$ 5 bilhões, via emendas, para o enfrentamento do novo coronavírus. O valor atende a um pedido feito por Mandetta na quarta-feira (11) durante visita ao Congresso para prestar esclarecimentos sobre a situação do COVID-19 no País. 

O Ministério da Saúde anunciou que dobrará para 2 mil o número de leitos que podem ser montados nos estados para receber pacientes com o novo coronavírus. Segundo a pasta, ainda não foram feitos pedidos de reforço de leitos. Se houver, o ministério diz que em uma semana consegue entregar o kit de equipamentos, com insumos e respiradores, para que o espaço seja montado em local apontado nos planos de contingência estaduais. Há estados que avaliam montar os leitos em pequenas enfermarias, por exemplo.

Brasil tem 82 casos confirmados

O Brasil tem 82 casos confirmados do novo coronavírus, segundo números do governo federal e de governos estaduais divulgados nesta quinta-feira (12).

À tarde, o Ministério da Saúde informou que o Brasil tinha 77 casos, a maior parte no estado de São Paulo (42). Depois vêm Rio de Janeiro (16), Paraná (seis) e Rio Grande do Sul (quatro). Distrito Federal, Bahia e Pernambuco têm dois casos cada. Alagoas, Minas Gerais e Espírito Santo têm um paciente confirmado.

Já no fim da tarde, o governo de Goiás confirmou três casos no estado. Mais dois foram comunicados pelo governo de Santa Catarina, levando o total nacional para 82.

Desde segunda-feira (9), o número de casos confirmados no Brasil mais que triplicou. Naquele dia, havia 25 pacientes.

Os casos suspeitos chegam a 1.422, distribuídos por todos os estados brasileiros, segundo o Ministério da Saúde. São Paulo tem quase metade dos pacientes sob investigação (704). Outros 2.662 casos foram descartados. 

Com Estadão Conteúdo