Adesão de Jair Bolsonaro a protestos revolta parlamentares


Fernando Molica
Por Fernando Molica, CNN  
15 de março de 2020 às 19:50
Na rampa do Palácio do Planalto, Bolsonaro acena a manifestantes

Na rampa do Palácio do Planalto, Bolsonaro acena a manifestantes

Foto: Adriano Machado - 15.mar.2020/Reuters

A participação de Jair Bolsonaro (sem partido) no ato em Brasília revoltou parlamentares de diversos partidos e foi tema de muitas discussões em grupos de WhatsApp.  

Além da irritação pela presença do presidente em manifestação contra o Congresso Nacional, deputados e senadores disseram que ele deveria ter aproveitado o domingo para se reunir com os ministros da Saúde e da Economia para discutir medidas e projetos relacionados ao  combate ao novo coronavírus.

Algumas dessa providências — como o eventual remanejamento de recursos orçamentários — necessitam de aprovação do Congresso.

O governo sequer formalizou uma proposta para destinar para a área de saúde R$ 5 bilhões dos R$ 15 bilhões que seriam controlados pelo relator do Orçamento.

O deputado Pedro Paulo (DEM-RJ) disse que a indefinição do governo faz com que parlamentares fiquem em dúvida sobre ir ou não a Brasília nesta semana.

Muitos, principalmente os mais idosos, não querem correr o risco de contaminação sem ter antes a certeza de que haverá projetos importantes para serem votados.

Pedro Paulo afirmou também que a presença de Bolsonaro atrapalha a mensagem de prevenção contra a proliferação do coronavírus.

'É de chorar', diz Major Olímpio

O senador Major Olímpio (PSL-SP)

O senador Major Olímpio (PSL-SP)

Foto: Wilson Dias - 22.jan.2019/Agência Brasil

Líder do PSL no Senado, Major Olímpio (SP) criticou a atitude de Bolsonaro de participar, em Brasília, de manifestação contra o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal — na última quinta (12), o presidente chegou a usar uma cadeia de rádio e TV para elogiar os atos e pedir que fossem cancelados, por conta do risco de contaminação pelo novo coronavírus. “É de chorar mesmo”, afirmou Olímpio à CNN Brasil por WhatsApp.

“Lamento pela saúde do presidente, lamento pelo risco às pessoas, lamento pela atitude contraproducente e o péssimo exemplo”, disse o senador. Hoje à tarde, Bolsonaro chegou a tocar em mãos de manifestantes e a manusear celulares de apoiadores para fazer selfies com eles.

Na mensagem, Olímpio cita que os ministros da Saúde e da Economia estão “se arrebentando para orientar a população e buscar recursos para o enfrentamento (ao coronavírus), discutindo com o Congresso, o próprio Executivo gastando milhões com campanha de orientação e o presidente fazendo carreata em protesto pelo fechamento do Congresso e STF".