Bolsonaro diz que contraprova para coronavírus deu negativo


Da CNN Brasil, em São Paulo e Brasília
17 de março de 2020 às 21:57 | Atualizado 17 de março de 2020 às 22:08
Bolsonaro cumprimenta apoiadores em ato pró-governo em Brasília

Bolsonaro cumprimenta apoiadores em ato pró-governo em Brasília

Foto: Adriano Machado/Reuters

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse na noite desta terça-feira (17) que seu segundo exame para o novo coronavírus (COVID-19) deu negativo.

"Informo que meu 2° teste para COVID-19 deu NEGATIVO. Boa noite a todos", publicou o presidente no Twitter.

 

"Histeria" x calamidade pública

Mais cedo hoje, Bolsonaro voltou a falar em histeria em relação à pandemia do novo coronavírus, que já infectou quase 300 pessoas no Brasil e teve nesta terça-feira (17) a primeira morte confirmada no país. O presidente afirmou que medidas tomadas pelos governadores contra a doença vão causar "um baque" na economia.

No entanto, horas depois, o governo federal anunciou que vai pedir ao Congresso Nacional a declaração de estado de calamidade pública devido à pandemia do novo coronavírus. O governo justifica o pedido com a "necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros" e a "perspectiva de queda de arrecadação". 

Na prática, se o Congresso reconhecer o estado de calamidade pública no país, o governo fica dispensado de atingir a meta de resultado fiscal prevista no Orçamento de 2020 — deficit de R$ 124,1 bilhões.

Críticas

Nos últimos dias, autoridades criticaram a postura do presidente, sobretudo o seu comparecimento aos atos pró-governo em Brasília no último domingo (15). A orientação do Ministério da Saúde era para que se evitassem aglomerações, para conter a propagação do vírus.

Após o acontecido, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou que Bolsonaro faz "pouco caso" da crise, enquanto o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, cobrou "responsabilidade" de Bolsonaro. 

Nesta segunda-feira (16), o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou em entrevista exclusiva à CNN Brasil que o presidente deu um "péssimo exemplo" .

Reunião com poderes

O presidente também disse nesta terça que agendou para quarta (18) uma reunião com as principais autoridades dos demais poderes e instituições para alinhar as estratégias de combate ao novo coronavírus.

Segundo o presidente, a reunião acontecerá por volta das 20h e será seguida de uma entrevista coletiva à imprensa. Foram convidados os presidentes do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) do Senado Federal, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Tribunal de Contas da União (TCU), José Múcio, além do procurador-geral da República, Augusto Aras.