Coronavírus: Alcolumbre promete prioridade para tramitação de calamidade pública


Da CNN Brasil, em São Paulo e Brasília
17 de março de 2020 às 22:45 | Atualizado 18 de março de 2020 às 18:29
O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP)

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP)

Foto: Roque de Sá/Agência Senado

O presidente do Senado e do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disse na noite desta terça-feira (17) que o Parlamento dará prioridade à declaração de estado de calamidade pública solicitada horas antes pelo governo federal devido à pandemia do novo coronavírus (COVID-19).

Segundo nota divulgada pelo Senado, Alcolumbre disse que "fará o que for necessário para dar andamento às matérias relacionadas ao novo coronavírus, necessárias ao enfrentamento e combate da doença no país."

"O decreto de calamidade pública por conta do COVID-19, que o Executivo enviará para ser analisado  pelos parlamentares, é sem dúvida uma medida importante para a flexibilização de mais recursos  para o atendimento à nossa população. O Regimento determina prioridade máxima para sua tramitação", afirma o comunicado. "Reafirmamos a responsabilidade do Parlamento brasileiro na luta contra o COVID-19."

O governo quer que o estado de calamidade pública tenha efeito até o dia 31 de dezembro de 2020, e justifica o pedido com a "necessidade de elevação dos gastos públicos para proteger a saúde e os empregos dos brasileiros" e a "perspectiva de queda de arrecadação". 

Leia também:

Coronavírus faz governo pedir estado de calamidade pública até dezembro

Fase aguda de epidemia de coronavírus deve durar até julho, diz Mandetta

Bolsonaro diz que contraprova para coronavírus deu negativo

Na prática, se o Congresso reconhecer o estado de calamidade pública no país, o governo fica dispensado de atingir a meta de resultado fiscal prevista no Orçamento de 2020 — deficit de R$ 124,1 bilhões.

Ao mesmo tempo, o governo federal diz que "reafirma seu compromisso" com a agenda de reformas, como a tributária e a administrativa, assim como com a manutenção do teto de gastos, que está previsto na Constituição. 

Pacote bilionário

Ontem (16), o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou um pacote de R$ 147,3 bilhões em medidas emergenciais contra os impactos econômicos do novo coronavírus. Entre elas estão a antecipação da segunda parcela do 13º de aposentados e pensionistas do INSS para maio, a antecipação do abono salarial para junho e a transferência de recursos não sacados do PIS/Pasep para o FGTS, de forma a permitir nova liberação de saques.

Segundo Marcos Ross, economista-chefe da corretora XP Investimentos, menos de 20% dos R$ 147,3 bilhões representam recursos novos e, por isso, o pacote terá efeito limitado contra os impactos do coronavírus, apesar de apontar para a direção correta.

A CNN também apurou hoje que a equipe econômica do governo deve anunciar ainda nesta semana medidas emergenciais direcionadas aos trabalhadores informais, o que foi apelidado de "voucher coronavírus", com objetivo de tentar frear o impacto econômico da pandemia para este segmento.