'Tem muita informação que vou rever', diz Nelson Teich, novo ministro da Saúde

Médico garantiu que não tomará medidas 'intempestivas'

da CNN, em São Paulo
16 de abril de 2020 às 20:45
O novo ministro da Saúde, Nelson Teich
Foto: Reprodução (16.abr.2020)

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, declarou na noite desta quinta-feira (16) que irá analisar e rever muita informação dentro do órgão. Em entrevista ao SBT, ele afirmou, porém, que não tomará nenhuma medida "intempestiva".

"Eu estou chegando agora", disse o novo titular. "Vou ter que sentar e ver com detalhes, tem muita informação que vou rever aqui dentro. Chegar e dar uma opinião seria irresponsável".

Ao seu lado estava o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que contou que escolheu o novo titular por afinidade na leitura do cenário atual, que se tratam de duas doenças, "o vírus e o desemprego". Bolsonaro, no entanto, adotou tom mais suave do que em pronunciamentos anteriores. "O povo quer voltar a trabalhar, mas obviamente, com critérios", disse.

Teich disse que sua primeira medida dentro do ministério será colher o máximo de informação possível. "A gente tem que aceitar que tem que aprender muita coisa", disse.

O médico também opinou sobre o uso da cloroquina no enfrentamento à COVID-19. "A cloroquina faz parte dos medicamentos que podem ser eficazes. Em situações mais extremas, você pode fazer uso, mas que o uso seja sempre de forma estruturada, dentro de um programa de pesquisa", defendeu.

Como já havia dito em textos publicados antes de assumir o cargo, Teich disse querer traçar uma estratégia que reúna o governo federal, o sistema de saúde suplementar e os empresários. "Tem que ter um programa único do Brasil", declarou.

Leia também:

Nelson Teich diz que saúde e economia não competem entre si

Quanto à equipe do órgão, o ministro disse que se encontrará e fará uma decisão conjunta, com os funcionários e com o presidente.

Em sua entrevista coletiva de despedida, o ex-titular Luiz Henrique Mandetta demonstrou interesse em cooperar com a nova gestão. "Queremos que seja uma transição suave e profícua".