Huck: prefeitos e governadores têm ‘protagonismo necessário’ na pandemia

Em publicações no Twitter, apresentador e possível candidato à Presidência em 2022 definiu o papel desses políticos como de “enorme importância”

Luís Lima, da CNN Brasil*, em São Paulo
19 de abril de 2020 às 13:13 | Atualizado 19 de abril de 2020 às 13:33
O apresentador Luciano Huck defende prefeitos e governadores: "protagonisto justo" na pandemia
Foto: Reprodução/Instagram

O apresentador Luciano Huck, apontado como possível candidato à Presidência em 2022, saiu em defesa da atuação de prefeitos e governadores na pandemia do novo coronavírus. Em publicações no Twitter, neste domingo (19), definiu o papel desses políticos como de “enorme importância”, com um “protagonismo justo e necessário”.

“A nós cabe exercitar mais do que nunca a cidadania, contribuindo para que a solidariedade seja mais contagiosa do que o vírus”, escreveu o apresentador. “Seguimos conectando doadores a quem precisa, construindo pontes, articulando iniciativas da sociedade civil e comunicando informações de fontes confiáveis”, acrescentou Huck. 

Dessa forma, o apresentador toma lado na queda de braço entre o presidente Jair Bolsonaro e prefeitos e governadores que têm apoiado o isolamento social para diminuir a propagação do vírus. A crítica do presidente é a de que a medida, que inclui o fechamento do comércio, atrapalha a economia.

"Os Estados estão quebrados. Falta humildade para essas pessoas que estão bloqueando tudo de forma radical”, afirmou o presidente sobre os governadores que apoiam o confinamento. 

Em São Paulo, o governador João Dória (PSDB) prorrogou a quarentena no Estado até o próximo dia 10 de maio. Já o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), decidiu adiar o isolamento social até 30 de abril.

Nesta semana, o Brasil ultrapassou pela primeira vez a marca de 200 mortes diárias em razão da COVID-19. Ainda neste sábado (18) o Ministério da Saúde registrou 211 mortes decorrentes do novo coronavírus nas últimas 24 horas. Com isso, o número de óbitos chegou a 2.347. Os casos atualmente confirmados somam 36.599.

*Com informações do Estadão Conteúdo