'Se o domingo foi ruim, a segunda começou melhor', diz MDB, sobre Bolsonaro

Iuri Pitta
Por Iuri Pitta, CNN  
20 de abril de 2020 às 11:59

 

O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa nesta segunda-feira (20) em Brasília
Foto: CNN (20.abr.2020)

O presidente nacional do MDB, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), avaliou como positiva a fala do presidente Jair Bolsonaro desta segunda-feira (20), na qual rebateu qualquer tentativa de fechamento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso Nacional, como defendiam participantes do ato realizado no domingo (19), em frente ao Quartel-General do Exército, em Brasília, que teve participação do próprio Bolsonaro.

"A fala do presidente foi positiva. Precisamos buscar um entendimento, um equilíbrio", disse Baleia Rossi à CNN. "Se o domingo foi ruim, a segunda começou melhor."

No domingo, a conta oficial do MDB no Twitter postou vídeo do discurso do então presidente da Assembleia Constituinte, Ulysses Guimarães, proferido na promulgação da Constituição Federal, em 5 de outubro de 1988, no qual o parlamentar fez uma de suas declarações mais notórias: "Temos ódio e nojo da ditadura".

"Aqui é democracia"

Em fala a apoiadores e jornalistas diante do Palácio do Alvorada, residência oficial da Presidência, na manhã desta segunda-feira, Bolsonaro afirmou: "Não tem essa conversa de fechar nada. Dá licença aí. Aqui é democracia. Aqui é respeito à Constituição Brasileira".

"Supremo aberto, transparente. Congresso aberto, transparente. Nós, o povo, estamos no governo e não vamos aceitar provocações baixas, provocações rasteiras por parte da imprensa que está aqui", disse o presidente.

Há duas semanas, Bolsonaro começou a fazer reuniões com presidentes de partidos identificados como Centrão, como revelou a CNN.

As conversas têm participação do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, responsável pela articulação política com o Congresso, cuja atuação foi elogiada por esses dirigentes partidários. Por ora, o MDB não está na lista de siglas recebidas por Bolsonaro, que já se reuniu com Progressistas, PL, Republicanos e PSD.