Moro deve avaliar saída se perder autonomia, diz presidente da ADPF

Moro pode pedir demissão se diretor-geral da Polícia Federal deixar o cargo

Da CNN, em São Paulo
23 de abril de 2020 às 22:23 | Atualizado 24 de abril de 2020 às 00:47

Em entrevista para a CNN na noite desta quinta-feira (23), o presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF), Edvandir Paiva, disse que o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, deve avaliar se é o caso de pedir demissão caso tenha sido "desautorizado pelo governo e se a autonomia que foi permitida a ele não estiver sendo seguida".

Para ele, a partir do momento em que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não quer que o atual diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Leite Valeixo, fique no cargo, significa que Moro não está alinhado com o presidente.

Segundo Paiva, talvez a "autonomia que foi prometida a ele [Moro] não está sendo seguida. Ao não ser seguida, indica um desalinhamento do presidente com o ministro. E todo ministro que não estiver alinhado com o presidente, não faz sentido a continuidade. O presidencialismo é assim. É assim que tem que ser", afirmou.

No fim da noite, em nota conjunta, a ADPF e a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) soltaram nota afirmando que “tais especulações, infelizmente, prejudicam a estabilidade da Polícia Federal a sua governança e colocam em risco a própria credibilidade na lisura dos trabalhos da instituição”.
 
"Nos últimos três anos, a Polícia Federal teve três Diretores Gerais diferentes. A cada troca ou menção à substituição, uma crise institucional se instala, com reflexos em toda a sociedade que confia e aprova o trabalho de combate ao crime organizado e à corrupção", acrescentou a nota.
 
"Mais do que a defesa ou repúdio de eventuais nomes, a ADPF e a Fenadepol esperam que os parlamentares e as autoridades responsáveis aprovem as propostas no Congresso Nacional que estabelecem mandato ao Diretor Geral da Polícia Federal e autonomia ao órgão. Somente tais medidas irão proteger a PF de turbulências e garantir a continuidade do trabalho de qualidade prestado ao Brasil”, finalizaram as entidades.