Posse de diretor-geral da Abin só deve ocorrer após pandemia

André Spigariol e Noeli Menezes da CNN, em Brasília
29 de abril de 2020 às 10:40
Frank Márcio de Oliveira, diretor adjunto da Agência Brasileira de Inteligência (Abin)
Foto: Divulgação/Abin

A posse de Frank Marcio de Oliveira como novo diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) não tem data para ocorrer. A escolha do presidente Jair Bolsonaro para a agência ainda precisa ser aprovada pelo Senado Federal, que está tralhando apenas em sessões remotas para apreciação prioritária de pautas relacionadas ao enfrentamento da COVID-19. 

Enquanto durar a pandemia, todas as comissões da Casa estão suspensas, incluindo a Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE), na qual Oliveira tem que passar por sabatina e aprovação, antes de ter o nome analisado pelo plenário. Só então Bolsonaro poderá dar posse ao novo dirigente da Abin.

O presidente da CRE, Nelsinho Trad (PSD-MS), confirmou à CNN que não existe previsão para a retomada das atividades da comissão. Existe a expectativa de que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), faça uma reunião em meados de maio para definir uma data de retorno das sessões, mas qualquer decisão vai depender do avanço da pandemia no país.