Fux envia à PGR notícia-crime contra Bolsonaro por superfaturamento

Queixa é referente a superfaturamento em reembolsos da verba de combustível a que o presidente tinha direito enquanto deputado federal

Gabriela Coelho, da CNN, em Brasília
30 de abril de 2020 às 00:50 | Atualizado 30 de abril de 2020 às 04:49
O presidente Jair Bolsonaro 
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, enviou à Procuradoria-Geral da República uma notícia-crime contra o presidente Jair Bolsonaro por suposto superfaturamento em reembolsos da verba de combustível a que tinha direito enquanto deputado federal. O documento foi enviado pelo advogado criminalista Sidney Duran Gonçalez.

A notícia-crime é baseada em denúncia feita pelo jornalista Lúcio de Castro e publicada no site Agência Sportilight. Segundo a reportagem, o então deputado federal gastou em média R$ 4,1 mil em 11 idas a dois postos de gasolina do Rio de Janeiro entre janeiro de 2009 e fevereiro de 2011.

Segundo a ação, o cruzamento de dados públicos do Congresso e as notas fiscais de abastecimento enviadas por Bolsonaro à Câmara dos Deputados, segundo a reportagem, mostra que Bolsonaro abasteceu em dois postos diferentes no mesmo dia, apesar dos muitos litros comprados, e que abasteceu no Rio de Janeiro mesmo quando registrou presença em Brasília.

A verba indenizatória para combustível foi instituída em 2001, mas desde 2009 não está previsto o reembolso para assessores parlamentares.