Governo coloca indicado do centrão em direção de fundo com orçamento de R$ 30 bi

Garigham Amarante será diretor de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE); centrão espera novas nomeações nesta semana

Bárbara Baião, da CNN, em Brasília
18 de maio de 2020 às 08:48 | Atualizado 18 de maio de 2020 às 11:23
Garigham Amarante, assessor liderança do Partido Liberal (PL) na Câmara, será diretor de Ações Ocupacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)
Foto: Cayo Felipe - 28.mar.2016/ Amusuh

Em uma nova rodada de negociações com o centrão, o governo nomeou o assessor técnico da liderança do Partido Liberal (PL) na Câmara do Deputados Garigham Amarante para o cargo de diretor de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

A indicação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta segunda-feira (18), e tem a bênção do presidente do PL, Waldemar Costa Neto, condenado no esquema do mensalão.

O orçamento anual do FNDE, responsável pela execução das principais ações do governo voltadas ao ensino público, é de R$ 30 bilhões. Além do cargo de direção cedido ao PL, também está na mesa de negociação com o governo a prioridade para que o Partido Progressista (PP), comandado pelo senador Ciro Nogueira, indique o presidente da autarquia.

Antes do PL, o PP e o Republicanos já haviam conseguido emplacar, respectivamente, nomes no controle do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS), e na Secretaria de Mobilidade Urbana do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Assista e leia também:

Centrão mira orçamento de R$ 78,1 bi com cargos loteados em governo Bolsonaro

Após aproximação, Centrão já atua por Bolsonaro no Congresso

Políticos do PSL divergem sobre aliança do presidente Bolsonaro com o Centrão

A expectativa dos dirigentes dessas siglas é de que novas nomeações de segundo e terceiro escalões sejam destravadas esta semana, após o Planalto fazer uma espécie de pente-fino no currículo e nas afinidades ideológicas dos postulantes. As negociações com o centrão começaram na primeira quinzena de abril e candidatos sem ensino superior ou com alguma simpatia pelo PT, por exemplo, tiveram a indicação barrada.

Em troca dos cargos, os partidos prometem fidelidade em votações que forem de interesse do governo no Congresso Nacional.

O interesse do governo pela formação de uma base de apoio vem em um momento em que o presidente Jair Bolsonaro é investigado por suposta interferência política na Polícia Federal, segundo acusações do ex-ministro Sergio Moro, e a oposição no Congresso se movimenta em favor de uma CPI e pressiona pela abertura de um pedido de impeachment.

As negociações também têm como pano de fundo a eleição para a Presidência da Câmara dos Deputados no ano que vem.