Bolsonaro e Araújo realizam novas trocas no Itamaraty em postos estratégicos

O embaixador Benoni Belli, até então diretor do departamento em Brasília que cuida das relações com os Estados Unidos, assume o Consulado em Chicago

André Spigariol e Rudá Moreira da CNN, em Brasília
19 de maio de 2020 às 12:46 | Atualizado 19 de maio de 2020 às 12:50
Ministro de Relações Internacionais, Ernesto Araújo, durante entrevista em abril.
Foto: CNN Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o chanceler Ernesto Araújo efetivaram nesta terça-feira (19) novas mudanças em cargos estratégicos do Ministério das Relações Exteriores (MRE). O embaixador Benoni Belli, até então diretor do departamento em Brasília que cuida das relações com os Estados Unidos, assume o Consulado-Geral do Brasil em Chicago (EUA).

Fontes no Itamaraty relataram à CNN que a troca já era esperada — o próprio embaixador havia solicitado sua remoção para o exterior. Ernesto Araújo, no entanto, ainda vai decidir qual diplomata assumirá o departamento que lida diretamente com Washington e vinha conduzindo programas importantes, como o Global Entry. Em fase de implantação, o projeto facilitará o processo de obtenção de vistos para brasileiros em viagem aos EUA.

Leia também:
Pazuello torna coronel o 'nº 2' interino da Saúde e promove série de nomeações

Além de Belli, o presidente da República requisitou os serviços do diretor do Departamento de Organismos Econômicos Multilaterais, André Odenbreit Carvalho, que passa a trabalhar diretamente no Planalto. No Itamaraty, Odenbreit era um dos encarregados pela condução do processo de acessão do Brasil à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). Vinculada ao Palácio do Planalto, a Casa Civil coordena o grupo de trabalho interministerial que cuida deste processo. Odenbreit assumirá como assessor especial do ministro Braga Netto, segundo fontes palacianas ouvidas pela CNN.

Em outra mudança, o presidente Jair Bolsonaro indicou o embaixador do Brasil no Chile, Carlos Duarte, para ser o representante do país junto à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e demais organismos internacionais com sede em Viena, na Áustria. A mudança ainda depende de aprovação do Senado Federal, e a expectativa é que isso só ocorra após o retorno das sessões plenárias presenciais da Casa, que está funcionando apenas remotamente. 

Conforme a CNN antecipou na segunda-feira (18), o chanceler Ernesto Araújo vem avaliando diversas trocas em seus principais secretários em Brasília e embaixadores no exterior.