Cotado para ministro da Saúde, presidente da Anvisa é diagnosticado com Covid-19

Antônio Barra Torres chegou a participar de manifestação pró-governo já durante a pandemia de Covid-19, em 15 de março, ao lado de Bolsonaro

Da CNN, em São Paulo
19 de maio de 2020 às 17:57 | Atualizado 19 de maio de 2020 às 18:02
O diretor-presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres
Foto: Cleia Viana - 4.mar.2020/Câmara dos Deputados
 

Cotado como um dos nomes para assumir o Ministério da Saúde, o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, informou nesta terça-feira (19) que testou positivo para Covid-19.  

Em vídeo enviado à Comissão de Acompanhamento Externo da Câmara para Ações contra o Coronavírus, Barra informou aos parlamentares que começou na semana passada a ter sintomas gerais de gripe, mas não achou que estava doente. Apenas a "intensidade e a persistência" dos sintomas fizeram com que, depois de uma consulta médica, a hipótese de estar contaminado fosse levantada, e ele entrou em quarentena. 

"Efetuadas as testagens, na última sexta-feira obtive resultado positivo para a Covid-19. Entretanto, como meus sintomas ainda me permitem trabalhar, assim prossigo na condução dos trabalhos da agência e da diretoria colegiada", disse.

Próximo ao presidente Jair Bolsonaro, Barra chegou a participar da primeira manifestação a favor do governo a que Bolsonaro foi, já durante o período da epidemia, em 15 de março, sendo visto fazendo vídeos ao lado do presidente, apesar das recomendações de especialistas pelo distanciamento social para conter o avanço do novo coronavírus.

Na época, Barra justificou que havia sido convidado para um encontro com Bolsonaro no Alvorada e o acompanhou quando o presidente decidiu ir ao Palácio do Planalto, onde desceu a rampa para se aproximar dos manifestantes. 

Ainda durante o período de Luiz Henrique Mandetta no Ministério da Saúde, o nome de Barra foi cogitado mais de uma vez para assumir a pasta no caso da saída do ministro. No entanto, Bolsonaro decidiu optar por um nome mais técnico e reconhecido na comunidade médica e optou por Nelson Teich após demitir Mandetta. 

Agora, com a saída de Teich na semana passada, Barra, que também é contra-almirante da Marinha, volta a ser citado como uma possibilidade. Mas, de acordo com fontes palacianas, Bolsonaro não tem pressa para encontrar um novo ministro. O secretário-executivo, general Eduardo Pazuello, assumiu interinamente o cargo. 

Com Reuters