Ex-diretor da PF nega que Bolsonaro tenha pedido por relatórios de inteligência

Gomes, que foi sacado da função pelo novo diretor-geral da corporação, disse também que nunca recebeu reclamação sobre 'falha ou queda de produtividade'

Renata Agostini
Por Renata Agostini, CNN  
19 de maio de 2020 às 21:00 | Atualizado 20 de maio de 2020 às 07:13


O ex-diretor de inteligência da Polícia Federal Cláudio Ferreira Gomes negou em depoimento nesta terça-feira (19) que o presidente Jair Bolsonaro tenha solicitado informações sigilosas, como dados de investigações policiais em curso, enquanto ele estava no cargo.

   Leia também
   Diretor da PF cita delegado do Rio como 'próximo' dos filhos de Bolsonaro

Gomes, que foi sacado da função na semana passada pelo novo diretor-geral da corporação, Rolando Alexandre, disse também que nunca recebeu reclamação sobre “falha ou queda de produtividade na produção de documentos de inteligência” quando chefiava a área durante a gestão de Maurício Valeixo.

De acordo com ele, nunca foram feitas reclamações “sobre qualquer diminuição na produção de dados”.

“Na verdade, o depoente gostaria de esclarecer que o número de documentos de inteligência produzidos pelo Sistema de Inteligência da Polícia Federal no ano de 2019 foi superior aos anos anteriores”, afirmou em depoimento, obtido pela CNN.