Maia defende diálogo contra crises em pronunciamento na Câmara

Presidente da Câmara deu o tom da gravidade do momento e disse que as crises sanitária, econômica e política precisam ser enfrentadas com respeito à democracia

Daniela Lima
Por Daniela Lima, CNN  
26 de maio de 2020 às 14:11 | Atualizado 26 de maio de 2020 às 15:18

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez um pronunciamento nesta terça-feira (26), na abertura da sessão da Casa. Essa foi a primeira fala dele desde a divulgação do polêmico vídeo da reunião ministerial que precedeu a saída de Sergio Moro do governo Jair Bolsonaro.

O presidente da Câmara deu o tom da gravidade do momento, não só no Brasil, e disse que as crises sanitária, econômica e política precisam ser enfrentadas com respeito à democracia. 

A fala, de certa forma, o posiciona diante das falas de integrantes do governo registradas no vídeo, repletas de ataques à política e ao Supremo Tribunal Federal.

Leia também:

STJ aponta 'indício de participação ativa' de Witzel e envolve primeira-dama

Flávio Bolsonaro acusa Witzel de cometer desvios no RJ "há muito tempo"

O presidente da Câmara passou o fim de semana preparando o pronunciamento. Ele ouviu juristas e aliados antes de finalizar o texto. 

De acordo com apuração da CNN, Maia pretendia se solidarizar não só com as famílias das mais de 20 mil vítimas da Covid-19, como também com os profissionais de saúde. 

Ele ainda defendeu a formação de diálogos na política, inclusive as novas alianças do governo com o centrão. A ideia era apresentar esse movimento como positivo e próprio da política, que não se faz sem a construção de pontes. 

Maia ainda pediu “diálogo respeitoso” e fez um convite à pacificação de espíritos. "Faço desse momento um convite à pacificação dos espíritos. Vigiliantes e desarmados de preconceitos de qualquer ordem, temos que trabalhar pelo o Brasil", concluiu.