STF agiu em legítima defesa, diz advogado sobre operação da Polícia Federal

A PF cumpriu 29 mandados de busca e apreensão na manhã desta quarta-feira referentes à investigação sobre notícias falsas de parlamentares e empresários

Da CNN, em São Paulo
27 de maio de 2020 às 22:27 | Atualizado 27 de maio de 2020 às 22:54

Em entrevista à CNN nesta quarta-feira (27), o advogado e professor de direito, Georges Abboud, analisou o inquérito aberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar a disseminação de fake news e ataques a integrantes da Corte e afirmou que o STF agiu em legítima defesa.

Segundo ele, o STF presidir um inquérito não é nenhuma novidade. No entanto, a particularidade deste caso é o fato de ter sido gestado pelo Supremo. 

“Mas essa particularidade parece que se justifica porque temos uma situação excepcional. Esse inquérito é quase uma legítima defesa do Supremo para se proteger dos ataques que sofre. Então, o Supremo, baseado no seu rendimento, se posicionou como órgão competente para presidir esse inquérito", afirmou.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, não concordou com a realização de quase todas as operações feitas na manhã de hoje pela Polícia Federal no inquérito que apura fake news e ataques ao STF.

      Assista e leia também:

      Inquérito das fake news no STF mira aliados de Bolsonaro

      Deputados citados em operação pedem impeachment de Alexandre de Moraes

      Veja quem são todos os alvos da operação contra fake news

Abboud disse, porém, que as decisões do ministro Alexandre de Moraes, responsável por conduzir o caso, “estão embasadas no sistema jurídico brasileiro”.

“A Procuradoria-Geral da República se posicionar de forma contrária é uma regra do jogo do processo. A palavra final será do STF. O que é um pouco curioso é como a política, às vezes, mina essas decisões”.