Marcelo Freixo e coronel Armando debatem decisão de Fux sobre Forças Armadas

Deputados do PSOL e PSL discutiram reação do governo à decisão do Supremo

Da CNN, em São Paulo
13 de junho de 2020 às 20:18

Os deputados federais Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Coronel Armando (PSL-SC) debateram o conteúdo da nota emitida pelo governo de que as Forças Armadas não aceitam tomada de poder por julgamentos políticos, publicada após a decisão do ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal, que afirmou os militares não podem exercer um poder moderador.

"Isso nunca foi debate, porque é tão forte no governo Bolsonaro? É porque tem muita dificuldade de governar. É um retrocesso muito grande, isso não aconteceu em nenhum governo nem de direita, nem de esquerda, a não ser em um governo que não consegue governar pela incompetência do seu presidente. Não tem o menor sentido fazer esse debate agora", diz Freixo. 

"O debate só está ocorrendo porque o PDT levou o assunto ao STF, só ocorre porque a esquerda não quer que o governo Bolsonaro consiga governar. Se deixasse o governo governar, não teríamos esse debate", rebateu Armando.

Leia e assista também

Bolsonaro: Forças Armadas não aceitam tomada de poder por julgamentos políticos

Forças Armadas não são poder moderador, decide Fux, do STF

Pandemia

Eles falaram também das mais de 40 mil mortes causadas pelo novo coronavírus. "É uma pandemia, estamos cuidando. As medidas são para combater a crise da saúde. As mortes são inevitáveis, o mundo inteiro está sofrendo com isso. A China escondeu no início os dados da pandemia. Não acredito que tenha só 4 mil mortos", avaliou o deputado do PSL, que defende chamando isolamento vertical, somente para pessoas em grupos de risco, em vez do horizontal, mais amplo.

"O isolamento foi testado no mundo inteiro. O Brasil foi o último país em que o coronavírus chegou. Já somos o segundo país em contaminação e o segundo em número de mortes e vocês não admitem que erraram em nada?", questionou Freixo.

(Edição: Leonardo Lellis)