PF segue em busca de duas pessoas em investigação contra atos antidemocráticos

Decisão de Alexandre de Moraes atende pedido da PGR

Da CNN
17 de junho de 2020 às 09:07

 

A Polícia Federal ainda tenta localizar duas pessoas que tiveram ordem de prisão decretada no âmbito do inquérito que apura atos antidemocráticos, na manhã desta quarta-feira (17). O Supremo Tribunal Federal quebrou o sigilo de 11 parlamentares apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na tarde de terça-feira (16).

O pedido de quebra de sigilo foi feito, de acordo com a apuração da CNN, pela Procuradoria-Geral da República (PGR). São investigados os deputados federais Alê Silva (PSL-MG), Aline Sleutjes (PSL-PR), Bia Kicis (PSL-DF), Cabo Junio Amaral (PSL-MG), Caroline de Toni (PSL-SC), Carla Zambelli (PSL-SP), Daniel Silveira (PSL-RJ), General Girão (PSL-RN), Guiga Peixoto (PSL-SP) e Otoni de Paula (PSC-RJ); e o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ).

Leia também:

Aras aposta em inquérito dos atos e esvaziamento do das fake news

Bolsonaro ficou 'furioso' com operação contra aliados, dizem auxiliares

Todos os 11 parlamentares compõem a base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Congresso Nacional, sendo que nove pertencem ao PSL, ex-partido do presidente.

Um dos nomes na lista, o deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), também foi alvo de mandado de busca e apreensão e intimado a depor na superintendência da PF, em Brasília. 

Na tarde de terça-feira (16), outros três suspeitos foram presos pela PF como desdobramento da investigação sobre a organização destes atos.

(Edição: Sinara Peixoto)